Formatura do NPOR – Caxias do Sul, 1995

“Os homens passam e as instituições ficam. Todavia, o que permanece, o que enobrece, o que desenvolve e o que se projeta para a história de uma instituição é o que fica de cada um dos seus homens”.

Tomo emprestadas essas palavras do Comandante do V COMAR – Major-Brigadeiro Hermes Moreira – para iniciar esta mensagem a vocês, Aspirantes-a Oficial de Artilharia Antiaérea formados em 1995.

Da mesma forma que nossos pracinhas, por vocês justamente homenageados, fizeram a história da Força Expedicionária Brasileira, marcada até hoje em solo brasileiro e italiano por belos monumentos, enobrecendo nossa gente e projetando-a para sempre, vocês escreveram com traços fortes uma página da história do nosso NPOR, porque colocaram grandeza em suas ações.

Não desejo com as palavras que lhes dedico recordar o que aqui vivenciaram. Quero apenas que subam comigo uma elevação, ao posto de observação mais alto que nossa imaginação consiga nos levar, a fim de tentarmos visualizar o que nos aguarda o futuro, o de vocês certamente mais longo do que o meu.

Ao olharmos a humanidade lá do alto, vemos que a população continuará crescendo, em ritmo desacelerado é verdade, mas ainda preocupante. Ao mesmo tempo, o desenvolvimento científico e tecnológico, dominado por poucas nações que o utilizam como poder, propiciará maior aproximação entre os povos, vida mais longa e maiores necessidades de o homem se preparar para dominar máquinas, computadores e robôs. Em contrapartida, há que se resolver a equação cujos fatores serão o crescimento demográfico, a máquina e o preocupante aumento do nível de desemprego.

Nossa visão de militares nos faz antever que, infelizmente, que o homem continuará a fazer a guerra, com meios cada vez mais sofisticados. Porém, felizmente, a América do Sul continuará a ser a região menos atingida por esse flagelo.

Olhemos agora para o Brasil com a visão otimista de quem quer vê-lo crescer. Minha geração está lhes entregando um país melhor do que recebeu. Vocês, por certo, farão o mesmo. Nosso povo é bom, ordeiro, trabalhador e inteligente. Outros nos invejam por não sermos preconceituosos e por contarmos com imenso e rico território, onde todas as raças convivem em harmonia, mesmo aquelas que se digladiam em seus continentes de origem.

Ao pensarmos no futuro, sentimos nossas responsabilidades na preservação desse patrimônio, no desenvolvimento tecnológico, econômico e social, de forma a levar o progresso aos brasileiros de todos os rincões, para que, com seu trabalho, eles possam participar do crescimento dessa magnífica nação. Haverá problemas. Nenhum insuperável.

Para vocês, prezados aspirantes, antevemos um porvir promissor. Permitam um último conselho: preparem-se para o próximo século. Continuem a estudar e acrescentem aos seus currículos a informática e um idioma estrangeiro, armas imprescindíveis para a vitória. Escolham a profissão que o coração indicar, independentemente dos possíveis atrativos econômicos. Quando acharem que chegou a hora, constituam família, valorizem-na e respeitem-na. Tenham sempre por referencial os valores que lhes foram transmitidos por seus pais e reforçados durante o curso que ora encerram.

Levem o Brasil no coração e vejam em cada brasileiro um compatriota. Pratiquem a ética, palavra com o poder de transformar, no terceiro milênio, nosso país na nação que todos nós queremos e merecemos.

Foi muito bom tê-los entre nós. Sejam felizes.