Cidadão do Guarujá – discurso

Permitam-me citar Murilo Mendes: “Quando a gente acorda de bom humor, é sinal de que está em Paris”. Tomando-lhe a frase emprestada e tornando-a mais brasileira, mais verdadeira, proclamo: “Quando a gente acorda de bom humor, é sinal de que está em Guarujá”.

Existem dois motivos para que esta noite seja inesquecível para mim. O primeiro, pelo fato de estar nesta Casa. Casa onde os representantes da gente desta cidade discutem, convergem, divergem, aprovam ou rejeitam as leis. Casa onde os mais variados partidos estão representados, cada qual com sua linha de atuação definida, mas todos com o intuito maior de contribuir para o desenvolvimento do município e do bem-estar dos brasileiros que aqui vivem e trabalham.

Estar, enfim, na Casa da Democracia, pois Poder algum representa mais o espírito democrático do que o Legislativo. Todos sabemos que o sentimento de liberdade faz parte da índole do brasileiro. E liberdade e democracia são palavras muito próximas e que, às vezes se confundem. Liberdade e democracia pelas quais todos nós lutamos, ideais que devemos regar todos os dias para que cresçam fortes e rijos, de modo a que nenhum furacão, de qualquer matiz, possa derrubá-los. Estar aqui, portanto, me faz muito feliz.

O outro motivo para que esta noite se torne para mim inesquecível é o fato de as senhoras e senhores vereadores terem escolhido o meu nome e concedido a este soldado o honroso título de “Cidadão de Guarujá”.

Agradeço-lhes, por terem enxergado com bons olhos as minhas virtudes e com os olhos míopes da bondade, as minhas falhas e defeitos.

Na minha caminhada, que já se faz longa, dentro do Exército, conto já com quase vinte mudanças. Vivi em cidades grandes, passei por cidades médias e em outras que, com boa vontade, poderíamos chamar de vilarejo. Nesse vai-e-vem, aprendi com Aristófanes que: “Tua Pátria é onde estás bem”. E, para estar bem, procurei sempre fazer algo de útil para a comunidade à qual estive ligado.

Creio que por menor que seja a nossa contribuição, do somatório das pequenas boas ações de todos os brasileiros, resultará numa ajuda exponencial ao nosso País, para que ele alcance, mais rapidamente, o futuro de grandeza que, com certeza, o aguarda.

Nesse percorrer dos diferentes “Brasis”, o Exército premiou-me, permitindo que conhecesse duas pérolas. Pérola, como todos sabem, é algo bonito, valioso, com que se presenteia a quem se quer bem.

Daí, posso crer que o “Velho Exército” me quer bem! Em 1995, nomeou-me comandante do 3º Grupo de Artilharia Antiaérea, de Caxias do Sul – a “Pérola das Colônias”. Posteriormente, mandou-me comandar a 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea, sediada aqui no Guarujá – a “Pérola do Atlântico”. Em comum, nessas duas “Pérolas”, além das belezas naturais, encontrei a simpatia de sua gente. A sensação de sentir-se envolvido e abraçado pela comunidade, impressão que aumenta a cada dia, a cada encontro, a cada conversa, nos cativando e transmitindo-nos a certeza de que não estamos sós e de que podemos contar com o apoio de amizades sinceras, fazem com que conheçamos a verdadeira “Pérola” desses dois municípios – a sua gente. Gente que os senhores vereadores tão bem representam e que, em nome dela, concedem-me este honroso título.

Senhoras e senhores!

Haverá sempre um amanhã! Em qualquer dos meus amanhãs, serei embaixador desta terra, não só para divulgá-la e enaltecê-la, mas fazendo de nossa casa um recanto onde os guarujaenses serão recebidos com a fraternidade de irmãos. Muitos que sejam os meus amanhãs, eles serão poucos para agradecer por esta homenagem que me prestam nesta noite inesquecível.

Se Pátria é onde estamos bem, estejam certos de que Guarujá é minha Pátria. Devo isso à sua gente e, logicamente, aos senhores, seus dignos representantes. Que o seu amanhã seja repleto de realizações e de felicidade, a mesma felicidade que proporcionaram a este soldado nesta noite inesquecível. Soldado que não teve outro ideal na vida, que não o de servir à sua Pátria, ou às suas “Pátrias”. Das tantas “Pátrias” onde vivi, a partir de hoje, Guarujá ocupará um lugar especial ! Devo isso aos senhores. Aceitem minha eterna gratidão. Muito obrigado !

Guarujá – SP, 02 de abril de 2003

General Hamilton Bonat