A Mulher do Piolho (Joaquim Cardoso Filho)

Quando me apareceu o primeiro relógio à prova d’água, foi uma admiração. Tratava-se de um Mido, automático. De pronto, sonhei possuir um, mas estava muito distante de minhas possibilidades. Imaginem, amigos, nos idos de minha adolescência, ter ao pulso um relógio de marca famosa que, além de automático, permitia ao dono entrar na água com ele. Poder mergulhar numa piscina, num rio, no mar, ou ir para debaixo de um prosaico chuveiro, sem necessidade de tirá-lo do braço. Era modernidade para poucos felizardos, considerei, e não me ocorreu perguntar que grande utilidade teria aquilo. Que diferença faria olhar ou não as horas, dentro d’água, em meio à diversão? Restou do episódio o instante de deslumbramento.

A menção ao relógio à prova d’água fica por aqui. Ocorreu casualmente, por correlação algo maluca. Tinha antes, na cabeça, o Brasil, e refletia ser um país à prova de esperança tamanha a degradação que o acomete, e acabou uma coisa puxando outra. Continuemos, pois. Dizia que o Brasil é à prova de esperança. De fato, é preciso muita persistência, muita fé, para continuar acreditando que as coisas poderão se consertar por aqui. As forças do atraso, alimentadas pela ignorância ou pura má-fé, trabalham contra a limpeza moral. Aliás, o Brasil seria uma potência econômica, um país do Primeiro Mundo, não fossem a burrice e corrupção que desgraçadamente nos vitimam desde os tempos cabralinos. Temos abundância de terras férteis, riquezas minerais, grandes rios etc. Tivemos e temos grandes empreendedores, como o saudoso empresário Antônio Ermírio de Morais. Têm-nos faltado, contudo, no mundo da política, os estadistas. Homens de elevada estatura moral e competência para administrar o generoso potencial que a natureza nos oferece. Sobra-nos, por outro lado, a ladroagem. Eis uma combinação letal.

Vemos, agora, as reações contra o governo de Michel Temer, orquestradas pela esquerda deletéria. Antes, é preciso dizer que desgraçado é o país em que uma parcela ponderável de seu povo tem como ídolo um infame corrupto e mentiroso como Lula da Silva, travestido de líder messiânico. De lascar, amigos! Deste jeito, não há Deus que nos ajude. Sigamos. A favor de Temer, sejamos francos, talvez se tenha pouco ou nada a dizer. Basta lembrar que, até poucos meses atrás, ele e seu partido (PMDB) eram sócios da administração petista que afundou o País. No entanto, tornou-se a única porta para se sair do abominável governo de Dilma Roussef. Apesar dos gritos de “golpe! golpe!” dos idiotas vermelhos, era ele ou ele, dentro do que a Constituição Federal permitia, e tivemos de nos resignar com o que foi possível.

Com Temer posto na presidência como pneu socorro no meio da viagem, surgiu a tímida esperança de que pudesse fazer razoável transição até o pleito presidencial de 2018. Reconheça-se que vem tentando. Tem em seu projeto de governo reformas importantes como a da previdência social, a tributária e das leis trabalhistas, mas, para aprová-las, precisa negociar com, segundo muitos, o mais calamitoso Congresso de nossa sofrida história republicana. Piora que o problema não se restringe ao legislativo. A enfermidade moral é generalizada e alcança, inclusive, o judiciário, daí a tremenda dificuldade em remover os privilégios das castas. Todos dizem querer justiça social, mas ninguém aceita abrir mão, por menos que seja, de direitos e regalias corporativas absurdas, traduzidas em ganhos polpudos e aposentadorias generosas pagas com dinheiro público.

Será complicado arrumar a casa. O Brasil conta, a rigor, não com partidos políticos, mas com quadrilhas organizadas preocupadas muito mais em tungar o dinheiro do contribuinte e legislar em cima de interesses eleitoreiros ou espúrios, do que cuidar das urgentes necessidades do País. Agora, sob a ameaça representada pela Operação Lava-Jato, as ratazanas se desesperam e se juntam no esforço em construir esgotos legais que as salvem. É preciso, como declarou o senador Romero Jucá, um dos muitos envolvidos em escândalos financeiros, estancar a sangria. Existem exceções, sem dúvida, em meio aos malandros e rapinantes (preferiria rapineiros, mas o dicionário ainda não anotou o vocábulo) que povoam nosso mundo político, mas quase sempre atuam como fazem os auxiliares dos árbitros de futebol: agitam suas bandeirinhas, mas não apitam nada.

Eis, amigos, o país que parece impermeável a esperanças. Mas não dá para se entregar aos bandidos. Precisamos ter a teimosia da mulher do piolho, de antiga anedota.

Março de 2017.

16 Respostas para “A Mulher do Piolho (Joaquim Cardoso Filho)”

  1. valderez archegas ferreria Diz:

    Vamos continuar na luta pela nosso país. Vamos nos livrar dos vermelhos e colocar a casa em ordem, custe o que custar, doa a quem doer!

  2. elcio rogerio secomandi Diz:

    Prezado amigo Gen Bonat
    Fiquei impressionado com a quantidade de artigos em tantas categorias que o amigo produziu em tão pouco tempo….PARABÉNS!!!!
    Mais uma vez, obrigado pela consideração para com os meus textos sobre Educação Patrimonial

    Saudações a Dna Norma
    abs
    secomandi

  3. amaury koschinski Diz:

    Caro amigo Gen Bonat
    O trabalho da esquerda comunista se intensificou de tal forma após o governo militar, que suas raízes frutificaram apagando todo o trabalho realizado, denegrindo a ordem, prejudicando o progresso e acima de tudo fazendo tornar verdade as mentiras muito bem elaboradas para tornarem-se políticos poderosos assumindo os destinos da nação de forma fraudulenta.

  4. emmanuel s. moura Diz:

    Meu amigo general Bonat… Que beleza de artigo do Joaquim Cardoso Filho, que o amigo gentilmente me enviou.
    O artigo retrata fielmente, o que está acontecendo no Brasil.Bonat, infelizmente nós somos órfãos deste sistema político espúrio que governa o País.Não adianta pente fino ou inseticida para tirar e aniquilar, aqueles piolhos que vivem no Congresso Nacional que nada fazem para melhorar a vida do tão sofrido povo brasileiro.Um abraço e obrigado, Moura

  5. bonat Diz:

    Muito bom o artigo. Retrata bem a realidade que estamos vivendo.
    Parabéns ao autor!
    Abraço.
    Bety

  6. Carlos Gama Diz:

    Meu caro amigo, alegra-me receber correspondência sua.
    Concordo com quase tudo o que aqui foi dito, bem dito e por escrito; alegro-me sempre com a alma patriota desse cronista amigo, desse homem de armas em tempo integral e patriota esperançoso.
    Sim, concordo com quase tudo, exceto com o pneu reserva, careca, remendado e quase inútil, que nos reservou a prostituída de 88.
    Preferia eu ver o carro no abismo ou a lona em chamas, pois, aí sim, talvez saísse algo de bom das cinzas que restassem.
    Cansado e desiludido, nada mais espero das regras, dos regradores e dos aproveitadores todos que fazem do meu país um bordel.
    Resta-me apenas esperar a solução na Força da Divindade Maior.
    Fraterno abraço,
    Gama.

  7. jose batista pinheiro Diz:

    Amigos
    Muito se tem escrito sobre a calamitosa tendência dos governantes brasileiros em abraçarem a incompetência e a fragilidade moral. Estamos vivendo uma época de incertezas graças aos famigerados bandidos que se apoderaram dos três poderes na nossa frágil república representativa. Há exceções e não podemos nos desesperar. Um dia o Brasil irá decolar e ser uma grande e desenvolvida nação. Temos que acreditar na geração que estará nos sucedendo. Todavia, achamos que sem escolas e sem grandes mestres, como no meu tempo de Liceu do Ceará, a escalada para o sucesso ainda demorará muito tempo. Abraços Cel Pinheiro

  8. Edmar Diz:

    Realmente vivemos um momento crucial da nossa história… nem gosto de pensar aonde chegaremos… até agora o fundo do poço é o nosso destino.

  9. isabel Sprenger Ribas Diz:

    Continuo sem me conformar…que não publique textos seus, demandados, bem aceitos e cheios de bons assuntos e sempre pertinentes, senão à conjuntura, mas à aqueles oportunos e agradáveis de serem lidos. Reafirmo. Não em conformo! Literalmente. Ainda que, obviamente, muito respeite este seu absoluto direito.
    Entretanto este texto de hoje é deveras interessante. Parabenizo ao autor.

  10. NEY DE ARARIPE SUCUPIRA Diz:

    O articulista foi muito feliz. Apresentou um mosaico da realidade do país.Entendemos que os maiores adversários da “ordem e do progresso” se abrigam na hierarquia dos parlamentos. Viciados nos costumes da megacorporação da corrupção nacional – governo,judiciário, partidos políticos,banqueiros, empreiteiros ,sindicatos, ONGs,movimentos sociais, etc… -, hoje, barrados pela operação Lava Jato, sofrem a antipatia e o repúdio do povo honesto e trabalhador. Invejosos de diversas categorias,lamentavelmente, desacreditam
    das boas intenções e o ideal do presidente Temer dar coerente sentido em reformas institucionais inarredáveis, e manter a paz social até as eleições de 2018.Nossos cumprimentos ao general Bonat por ter dado ressonância ao pensamento do talentoso Joaquim Cardoso Filho.

  11. Paulo Cesar de Castro Diz:

    Prezado amigo, Bonat,
    Muito obrigado por ter publicado reflexão clara, objetiva e realista do nosso queridíssimo Brasil. Cumprimentos ao autor.
    Eu tenho esperança, mas julgo oportuno dizer que é esperança para longo prazo.
    A limpeza, ou faxina, ainda está sendo feita, para que se possa, em seguida, iniciar a reconstrução de tudo o que foi demolido, notadamente no campo moral.
    Enfim, “Sustentar o fogo que a vitória é nossa!”

  12. lucia helena nascimento tonon Diz:

    Seu Hamilton, vou procurar conhecer a anedota da “mulher do piolho”, ignorância minha…
    De qualquer maneira, gostei muito do texto!
    Um abraço, Lúcia.

  13. Laura Vaz Diz:

    Nossa! Excelente texto! Parabéns ao autor que traduziu exatamente o pensamento de muitos brasileiros que ainda mantêm a esperança numa faxina moral nesse País.
    Abraços,
    Laura

  14. osni pisani Diz:

    Gostei do texto, parabéns ! Sobre ” Mulher do Piolho ” vou procurar saber. A prisão desses ladrões não irá resolver praticamente nada, eles entram e saem em pouco tempo.Agora, se pudéssemos resgatar todo o dinheiro que surrupiaram, seria melhor para o Brasil e aos brasileiros. Ladrões soltos sem dinheiro e sem possibilidades de meter a mão novamente,sentirão muito mais que estarem na cadeia e o dinheiro esperando pela saída deles…………..

    Abraços

    Osni

  15. Paulo E. Hübbe Diz:

    Muito Bom, obrigado por envia-lo.
    Um abraço,BRASIL acima de tudo.
    Paulo

  16. salim mussi Diz:

    Prezado amigo:
    Agradeço de todo o coração o envio do atual e belo texto e parabenizo o autor copeliano como eu.
    SÓ FAÇO uma ressalva, que para se citar como exemplo, tivemos e temos no Paraná, que serve como exemplo para todo o mundo, grandes empreendedores, não o empresário Antônio Ermírio de Morais, mas o nosso saudoso eterno: o Prof. Parigot de Souza .
    Salim Mussi

Deixe um Comentário