A candura de Cândido

(Para melhor compreensão do texto abaixo, é preciso esclarecer que os fatos narrados são reais. Ocorreram em 1992 ou 1993. Os nomes dos personagens, inclusive o do Cabo, que era da PMDF, obviamente são fictícios).

- Desculpe, filho.

Era a quarta vez que o telejornal mostrava aquela chocante cena de uma perna se quebrando. Naquele dia, Cândido estava ao lado de Bruno.

- Quantas vezes tenho que lhe dizer que já o perdoei? Sua ideia era boa. Só que deu errado. Ninguém tem culpa.

- A ideia foi da sua mãe, não minha. Como era um simples cabo, comuniquei ao sargento, que comunicou ao tenente, este ao capitão, até chegar ao coronel, que achou ótima. Tinha tudo para dar certo. Comprei tecido, linha, botões e entreguei à sua mãe.

Dolores era um ás na máquina de costura. Daquela vez, caprichou ainda mais. Se a ideia era ótima, melhor ainda teria que ficar o uniforme com que o filho de quatro anos participaria do Sete de Setembro ao lado do pai. Quem sabe o Bruninho não apareceria na Globo!

- Você lembra como me senti orgulhoso quando desfilamos lado a lado. No dia seguinte, corri para a banca. Queria comprar todos os jornais. Por certo, você estaria nas primeiras páginas. E estava… Como fui inocente. Talvez por isso eu me chame Cândido. O tiro saíra pela culatra. Minha culpa.

- Que nada, pai.

- Foi o detalhe, Bruno. Como me arrependo de, por ser perfeccionista, ter comprado, também com o meu dinheirinho, aquele maldito revólver de plástico. Taxado como símbolo de violência, foi ele que apareceu nas primeiras páginas e, durante dias, nas redes de televisão, entre elas a mesma que hoje está repetindo a cena da tíbia quebrada. Todos queriam o meu pescoço, o de um pai que usara o filho para incentivar a violência.

- Ora pai, já lhe disse, o senhor está perdoado. Lógico que eu nunca mais quis vestir farda. Só lamento a minha imagem ter sido usada pelos que pregavam o desarmamento. Conseguiram desarmar apenas o cidadão pacífico. Agora ele virou refém da bandidagem. Veja só os números. Em 1992 (parece que foi neste ano que desfilei) houve 21.086 mortes por arma de fogo no Brasil. Em 2010, aumentou para 38.892, cifra maior do que a de muitos países em guerra.

- Se pudessem, teriam me enforcado em praça pública…

- Mas não enforcaram. Vamos mudar de assunto. E a luta?

- Pois veja bem, a mesma grande rede que apertou o meu pescoço, acusando-me de propagar a violência, hoje leva a todos os lares essa barbárie. Aqueles golpes, alguns literalmente mortais, dão muita audiência. Por trás deles estão milhões de reais, dólares e todo tipo de moeda, pelos quais são ávidos a mídia, os patrocinadores, e os próprios “atletas” e seu entourage. Todos ganham, exceto a sociedade.

- Exagero!

- Não é. Estamos regredindo aos tempos da Roma antiga. A diferença é que lá o povo tinha que deslocar-se ao coliseu para ver sangue, enquanto aqui o sangue jorra dentro das nossas casas. Depois, eu é que fui um apologista da violência…

- Deixa pra lá. Às vezes eles dão azar. A perna quebrada continua dando audiência, mas ela seria bem maior se o Schumacker não tivesse se acidentado logo em seguida, desviando um pouco o foco.

- É mesmo. O Alemão, apressadinho como sempre, resolveu atrapalhar. A turma deve estar pensando: “Ele bem que poderia ter esperado mais algumas voltas para bater naquela pedra dos Alpes Franceses”.

- Cadê mamãe?

- Está na máquina de costura. Mas fique tranquilo, ela não faz mais fardas.

ILUSTRAÇÃO: JOÃO CARLOS BONAT

29 Respostas para “A candura de Cândido”

  1. bonat Diz:

    Senhor General Bonat, não há mais necessidade de afirmar o quanto admiro e louvo o estilo de o senhor escrever, com elegância e perfeito vernáculo.
    Quanto à crônica, associo-me ao senhor na repugnância pela Rede Globo: hipócrita e incentivadora de tudo que possa corromper a sociedade.
    Uma criança desfilando, com ufania justa, ao lado do pai tornou-se crime!
    Mas, e as crianças que atuam nas novelas globais, com enredos imorais, indecentes?
    Criança não pode trabalhar, mas nas novelas pode e, para tanto, inventam mil artifícios! Lourenço

  2. bonat Diz:

    Amigo Bonat

    Ótima ” intervenção”!

    Poderias ter concluído ( aliás , muito bem concluído)

    também, criança vestida de MST pode????

    Fostes na mosca…., como sempre! Getúlio

  3. André Dambros Diz:

    Caro amigo Gen. Bonat.
    Meus parabéns pelo belo e realista artigo.
    Não conheço o Sr. Lourenço que postou a resposta acima, mas, reconhecidamente concordo plenamente com ele e lamento não ter sido eu o mentor das mesmas. Parabéns também ao Sr. Lourenço.
    Meu forte abraço.

  4. Alfredo Cherem Filho Diz:

    Estimado General
    Vivemos uma invers?o tremenda dos valores morais, vestir um uniforme militar deveria ser orgulho para qualquer cidad?o, pois este é um dos simbolos de nossa Pátria, que os que por direito a usam est?o incólumes aos percalços cometidos por esta corja que assaltou o poder, mas acredito ser temporário, e o bem trunfar num futuro próxmo. Nosso glorioso Exército é admirado pelo povo, veja as pesquisas de opini?o, onde sempre aparece entre os de maior credibilidade, o que conspira contra s?o o comunistas e a mídia vendida.Suas palavras s?o precisas descrevendo o triste presente em que vivemos, obrigado pelo envio.
    Um forte abraço
    Alfredo
    09.02.16

  5. Edu Antunes Diz:

    Amigo Bonat
    Excelente seu artigo. A que ponto se chegou. Até quando iremos aguentar estes paranoicos e aproveitadores de plantão? Partem para a agressão gratuita com a esperança de denegrir – como sempre fizeram – nossas polícias. Sua manifestação é pertinente e oportuna. Vamos valorizar nossas polícias e forças de segurança ou dar ouvidos a estes tais de “Direitos Humanos” e mídias que só se preocupam em defender bandidos? E fica a pergunta: “O que leva este tipo de gente ter este delírio paranoico em ver nos bandidos confessos uma áurea de heroísmo cretino? Será que é amor enrustido?”

  6. Cezar Benetti Diz:

    Gen Bonat,
    Observações precisas a respeito dessa polêmica obviamente mal intencionada.
    Forte abraço

    Benetti

  7. Milton Diz:

    Boa noite Gen Bonat.
    Como sempre eles não querem ver o Brasil crescer e viver dignamente, mas sim de forma que vivamos sempre receosos por não saber o que pode nos acontecer. A mídia vive da desgraça alheia com a desculpa que tem que nos manter informado.

  8. Gustavo Aguiar Rocha da Silva Diz:

    Muito bem escrito, como sempre e abordando tema atualíssimo. Um garoto fardado de Policial Militar escandaliza os bem-pensantes de sempre, que não se envergonham de vestir camisetas com a cara de Ernesto Guevara…

  9. bonat Diz:

    MARAVILHA…..
    APROVEITANDO para colocar a POLÍCIA onde ela merece….
    Respeitada….e voltada para o bem
    È assim que a Criança vê: O BEM combatendo o MAL.
    Saudações, e grato pelas Postagens.
    Abrs, PITA

  10. bonat Diz:

    Caro amigo,
    Realmente o patrulhamento em cima dos “fardados” é constante e sempre orquestrado pelos mesmos revanchistas.
    Tocou-me suas palavras porque tenho uma filha, capitão dentista da PMPR, que recebendo de um coronel a fardinha de PM que o mesmo fizera para seu filho, a adaptou para uma de minhas netas e eu, e mais toda a família, achamos que a fardinha lhe caía muito bem! Todos adoramos ver a Laurinha fardada de PM!
    Continuamos a mercê desses canalhas revanchistas e ninguém lhes mostra reação, por isso cumprimento-o pela iniciativa de protestar em seu blog, que seu protesto seja lido por muitos.
    Abraços. Dedé

  11. bonat Diz:

    Bom dia,
    Se me permite , são perfeitas suas colocações bem como seu questionamento e muito mais que isso, basta vermos as novelas da globo onde crianças interpretando personagens estereotipados , se travestem de formadores de opinião e transmitem mensagens subliminares para aqueles que se prostram diante da ” Deusa TV ” e veneram programas nada próprios para as faixas etárias em que são apresentados. Ainda em exemplo recentíssimo tivemos escolas de samba com carros alegóricos povoados de crianças fantasiados , misturados ao ambiente de adoração ao culto do corpo.
    Fico temeroso e ao mesmo tempo apreensivo , aguardando com ansiedade pelo fim deste período de dormência e passividade do povo brasileiro , a quem na minha modesta opinião cabe exigir e buscar mudanças urgentes.
    Brasil! Acima de Tudo.
    Ao Sr,
    Minha vibrante continência. Aurívio

  12. Turra Diz:

    Gen. Bonat, bom dia,exelente materia,inclusive no nosso lema da unidade que presto seviço ainda hoje existe um dizer, “SI VIS PACEM PARABELUM” ( Se vc quer paz preparece para a guerra ).E e assim que passamos por cima da ipocresia da midia.Grande abraço e sempre conte com a BPVMA lhe apoiando.AÇO . Turra.

  13. Paulo Cesar de Castro Diz:

    Estimado amigo, Bonat,

    Oportuníssima a volta ao tema. Patrulhamento explícito, até porque aí daqueles que ousam e ousarem adotar postura contrária aos bolivarianos e seus aliados “istas”. A grande mídia massacra a população incauta, diariamente, com opiniões desfavoráveis às Forças Armadas e Auxiliares. Revanchismo também explícito e necessidade de sobrevivência desse grupo podre que assaltou o poder. “Sustentar o fogo que a vitória é nossa!” A búlgara e sua quadrilha cairão!
    Gen Castro

  14. bonat Diz:

    Grande Bonat
    Parabéns, como sempre dizendo o que a maioria de nós gostaria de expressar,porém nos falta essa verve que lhe é própria.
    Um abraço. Renato

  15. renato balen Diz:

    Caro brilhante amigo Bonat!
    Lembro perfeitamente do fato e do destaque dado, principalmente pela Globo, enfatizando o incentivo à violência, quando na verdade, aos meus olhos, era um incentivo à segurança e à justiça.
    Atualmente quem assiste as novelas desta rede observa todo tipo de violência pois, tal uma escola do crime, mostra detalhadamente como planejar, estruturar, equipar e cometer o crime. Tudo que mostram acontece na vida real pouco tempo depois.
    Assim caminha a humanidade, mostrando seus contrastes e contradições, conforme os interesses economicos destas instituições.
    um grande abraço do amigo e admirador de suas crônicas
    renato balen – caxias do sul – rs

  16. Robert Diz:

    Caro amigo Bonat,
    Novamente não me surpreendo pelo texto escrito com brilho e com o coração. Lamento apenas sermos apenas espectadores e não podermos agir como temos vontade.Um forte abraço velho camarada.

  17. Regina Celi Simoes Angelo Diz:

    Creio que a cada texto de sua lavra eu teria que repetir:” Parabéns,Sr. Bonat!

    Quantas vezes, nestes últimos anos, vemos uma verdadeira perseguição, injustiça e hipocrisia em relação às Forças Armadas. Pessoas com um grau médio de inteligência enxergam como foi necessária aquela intervenção militar, naquele momento em que o Brasil se desgovernava e os esquerdistas, oportunistas ou desinformados pleiteavam a guerra civil, a anarquia…
    Tive sobrinhos e filhos que vestiram fardas – na infância – o “general” tinha uns dez anos e seguia-lhe uma escadinha de 8,7,5,4 todos paramentados e desfilavam em frente a casa, num orgulho ímpar! Todos os que passavam admiravam aquela brincadeira tão educativa!
    Quiseram e obtiveram perdão, esquecimento até indenização os grupos de guerrilha urbana. E ainda querem posar de heróis injustiçados.
    Definitivamente, vivemos hoje uma medonha inversão de valores! E o Exército Brasileiro deve-se manter unido, de cabeça erguida pois é com ele que contamos e nele confiamos.

  18. Romeu Taumaturgo Diz:

    É General, mas parece que eles têm que fazer isso mesmo; podemos entendê-los fazendo a seguinte pergunta: QUEM TEM MEDO DE POLÍCIA? A resposta é óbvia. Essa criança ao crescer se tornando um policial, será mais um obstáculo na vida daqueles que têm medo de polícia; embora uma organização jornalistica desse porte não deva temer um simples policial, mas parece que isso já está no sangue.
    Parabéns pelo artigo. Abraços
    Romeu Taumaturgo

  19. Beth Diz:

    Como sempre suas crônicas bem escritas e oportunas!
    Nunca imaginei que algo tão bonito fosse criar tanto “barulho”ou eu talvez seja ingênua demais para achar que isso seria alvo de tanto escarcéu por parte da mídia! Abraços!

  20. EDMAR LUIZ KRISTOCHIK Diz:

    Meu querido General, depois que o Roberto Marinho morreu ou deixou de dar as cartas na Globo, aquilo ali virou um verdadeiro “fudevu”. É uma emissora que poderia prestar um serviço a nossa pátria, já que possui um acentuada audiência, mas o que se vê são gafes em cima de gafes… ainda bem que a Record do pastor ladrão está equilibrando os níveis de audiência.

  21. Lúcia Helena Nascimento Tonon Diz:

    Seu Hamilton:
    Foi com muito orgulho do senhor que mandei confeccionar o “uniforme” do Exército para meu filho e para o Guilherme e o Rafael, seus outros dois netos, quando de sua homenagem no Colégio Militar do Paraná, lembra-se?
    Eles eram tão pequenos… Mas ficaram umas gracinhas!
    Bem, na minha opinião este assunto não deveria suscitar tanta polêmica, o Brasil tem milhares de problemas graves para serem discutidos e solucionados…
    Vestir meu filho de militar só significou, naquele momento, render homenagem ao país que tanto amo e ao avô dele, homem que prestou um serviço ético, sério e profissional ao Exército nacional.
    Um abraço,
    Lúcia.

  22. bonat Diz:

    Caro amigo Gen Bonat.
    Muito boa sua crônica “Cândido e sua Candura”. Em geral, a mídia dá muita importância aos episódios cruéis, a exemplo da criminalidade, mas, faz parte da nossa história e do nosso cotidiano. Graças a imprensa que ficamos sabendo o que se passa por aí afora. Abs. Mário Zart.

  23. Mario Gardano Diz:

    Caro Bonat, nos países onde os valores não são invertidos, as Forças Armadas representam o orgulho e o patriotismo do povo, aqui infelizmente acontece ao contrário, pobre Brasil, pobre de nós!!!!

  24. Joaquim Cardoso da Silveira Filho Diz:

    Prezado Hamilton,

    Muito apropriada a reprise, e o texto, baseado em um fato, revela a terrível hipocrisia que, sagazmente aplicada, vai se infiltrando nas mentes mais simples.

    Vivemos a era da empulhação intelectual patrocinada pelos teóricos de esquerda, sob a capa do intragável “politicamente correto”. O caso do desarmamento foi exemplar, e você apanhou com precisão o cerne da trapaça: desarmaram o cidadão e o deixaram ainda mais à mercê dos bandidos fortemente armados (e também o desarmaram para outras “eventualidades”, se me faço entender). Aliás, proibiram a fabricação de armas de brinquedos, como os perigosíssimos revólveres de nossa infância de faroeste, mas permitem jogos eletrônicos, os ‘games”, de extrema violência. Como fica a contradição?
    Também a violência nos é oferecida e estimulada pela tv, em troca de dinheiro grosso (curioso é que a Globo abominava os vale-tudo, numa atitude que exalava desprezo e superioridade moral; mas, quando viu que o negócio era rentável, tratou de ganhar exclusividade para exibir as lutas).

    Já devíamos até estar acostumados a tantas trapaças. Afinal, o PT, o suposto partido da moralidade e ética, não se revelou o maior ladravaz de todos?

    Valeu o repeteco. Parabéns, meu amigo.

    Forte abraço,
    Joaquim

  25. Laura Vaz Diz:

    Caro general:
    Texto impecável, mas a realidade retratada é tão absurda que me faltam palavras para comentá-la.
    Sem comentários…
    Grande abraço,
    Laura

  26. Nina Maria Marach Carpentieri Diz:

    Parabéns por sua abordagem neste tema que causou tanta polêmica! Como bem o disse quem me antecedeu: “Na mosca”. Muito orgulho de você, primo querido!

  27. Nestor Jesus de Sant'Anna Diz:

    General BONAT, FORTE ABRAÇO E OS MEUS PARABÉNS, MAIS UMA VEZ !!!
    Um dia a “coisa” cai de madura. Nem precisará tocar, pois a podridão já exala mau cheiro à grande distância. A bandidagem disfarçada em defensora de “ideais democráticos superiores”, que tomou o país, cuidou desde sempre e ainda, (apesar de estarem na pauta de S.EXCIA.O JUIZ MORO) de demonizar as FFAA ao máximo em quaisquer circunstâncias, sempre que lhe dessem azo. E o menino que o SENHOR narrou foi um prato cheio para essa corja abjeta. Agora mesmo um estudante de 15 anos, de Natal/RGN, que conseguiu entrar no ITA, Victor Raniery da Silva Holanda, teve sob a notícia,na Folha de SP(on Line) dois conselhos opostos):Primeiro de algum petista a soldo de pão com mortadela, de codinome Alicate: “Cuidado,escreveu ele, por precoce que é irá ficar um militar arrogante no futuro, por não ter aquela infância equilibrada(quiçá pensasse, para o rapaz, uma infância nas ruas assaltando turistas). Tome cuidado, isso não é bom, tenha cautela… Segundo: A opinião de um cidadão como nós,Sr. CÁSSIO G.P.: “LINDA HISTÓRIA DE MERITOCRACIA. UM TAPA NA CARA DA ESQUERDA SOCIALISTA.”
    GENERAL, ACHO QUE O BRASIL IRÁ DAR A GUINADA QUE NÓS SONHAMOS, NA PESSOA DESSE JOVEM E DE OUTROS DE SEU QUILATE.
    BRASIL ACIMA DE TODOS OS “alicates bolivarianos’ e seus chefetes.
    Nestor/Santos/SP

  28. ROSELENE Diz:

    QUERIDO !!!!!
    MEU COMENTÁRIO É SINGELO : -ELES SÃO ESPECIALISTAS EM INVERTER VALORES….
    BJS.

  29. Joaquim Rocha Diz:

    Prezado amigo Gen Bonat
    Com o devido respeito e consideração, faço minhas as palavras do meu homônimo, outro Joaquim que deixou seu comentario logo acima. Acrescento que não me lembro da sua crônica, mas, como integrante da Brigada Militar, oficial bombeiro por 27 anos, inúmeras vezes vi crianças desfilarem junto a seus pais. Isso sempre foi visto como demonstração de amor, patriotismo, respeito e emoção. Nunca vi reclamações.
    Fraterno abraço
    Cel PM Res Joaquim Rocha

Deixe um Comentário