Academia de Letras José de Alencar vai ao presídio

Detentas participam de atividades com escritores e músicos
(Matéria publicada pela Agência de Notícias do Paraná)
Fotos: Osvaldo Ribeiro/SESP

As detentas do Presídio Central Estadual Feminino (PCEF), em Piraquara, tiveram uma tarde diferente nesta quarta-feira (19). Cerca de 300 mulheres da unidade participaram de atividades com escritores e músicos que realizaram oficinas e mostraram o próprio trabalho. As ações fazem parte da Semana Cultural do Departamento de Execução Penal (Depen).

A primeira atração foi a apresentação da Academia de Letras José de Alencar, representada pelos escritores João Carlos Cascaes, Dione Mara Souto da Rosa, Claudinei Roncolatto, Hamilton Bonat e Tania Rosa Cascaes, que promoveram uma oficina literária sobre crônicas, contos e poesia.

Segundo a escritora e advogada Dione Mara Souto da Rosa, que falou sobre contos ficcionais, a Semana Cultural representa uma nova oportunidade de vida. “Acredito que a escrita, a leitura e a literatura em geral sejam o único caminho para o sucesso. Essa é uma oportunidade para essas mulheres aprenderem a colocar suas ideias no papel e registrar suas pequenas memórias”, opinou ela.

Renata Damasceno, presa na unidade, conta que a leitura modificou o cotidiano no presídio, melhorando o comportamento coletivo. “As meninas que participam do projeto de remissão de pena pela leitura ficam muito mais calmas, mudam seu comportamento, muitas vezes agressivo, para melhor, passam a ser mais comunicativas e sociáveis”, disse.

Para a diretora da penitenciária, Suely Vieira Santos, projetos como a Semana Cultural e a remição pela leitura são diferenciais. “Desde a inauguração da unidade, em 2012, não tivemos nenhuma situação de crise. Acredito que o trabalho baseado no respeito e um tratamento penal adequado sejam os responsáveis pelo sucesso do Presídio Central Estadual Feminino. A intenção é aperfeiçoar os projetos que contribuam na conscientização dessas mulheres”, afirmou.

MÚSICA – Além da atividade literária, na mesma tarde, o grupo Sopro5 fez um breve concerto que animou a plateia na unidade prisional. Formado por solistas do naipe de madeiras da Orquestra Sinfônica do Paraná, os músicos Fabrício Ribeiro (flauta), João Vitor Silva (fagote), Marcelo Oliveira (clarinete), Marcos Vicenssuto (Oboé) e Fábio Jardim (trompa) fizeram questão de apresentar seus instrumentos, individualmente, além de contar um pouco da história e origem de cada um.

Na Colônia Penal Agrícola, unidade que também participa da Semana Cultural, foram oferecidas aos detentos diversas palestras sobre temas como sexualidade, saúde do homem, autoestima e inteligência emocional, entre outras. Também houve oficinas de xadrez e boxe.

5 Respostas para “Academia de Letras José de Alencar vai ao presídio”

  1. Ivo Diz:

    Hamilton,
    Parabens a todos pela iniciativa.
    Abs.
    Ivo H Celli Jr

  2. anita zippin Diz:

    belo trabalho, colegas.
    exemplar e comovente. adorei cada momento em que vocês estão atuando a demonstrar , de verdade,o que é uma Academia de Letras e onde anda o amor ao próximo.

    abraços

    Anita Zippin
    presidente
    Academia de Letras José de Alencar

  3. Juliana Bonat Diz:

    Ótima iniciativa! Se queremos que as pessoas se reintegrem à sociedade, precisamos dar oportunidades reais de mudança. Parabéns!

  4. Diva Malucelli Diz:

    Parabéns, amigo, por estar ainda…fazendo alguma coisa pela sociedade brasileira…abs.

  5. Angela Bernardini Diz:

    Bonat
    Mais uma vez parabéns, suas atitudes falam por si. Você um homem extraordinário sempre a frente de seu tempo e com uma noção de cidadania exemplar.
    Abraços
    Angela Bernardini

Deixe um Comentário