1950 não se repetirá (clique)

Se é verdadeiro o que circula pela internet, os membros da Famiglia Scolari recebem por mês o que outros mortais passarão a vida inteira sem ao menos chegar perto. E olha que na lista não consta o salário do chefe do clã. Resta aos outros mortais o consolo de que seus salários não saem do seu bolso. Além do mais, é forçoso concordar com o Romário. Deus deve ter colocado a mão sobre suas cabeças e dito: “Esses são os caras”. Dá até para compreender e justificar as ardentes paixões das Marias Chuteiras. Mesmo assim, tomara que sejam campeões e não se repita o Maracanazo, que levou o Brasil às lágrimas.

Correm o mundo notícias de que a Copa será outra vez no Brasil, o que não chega a ser exatamente uma verdade. Heráclito, provavelmente inspirado em antigo provérbio chinês, ensinou que “Um homem nunca se banha duas vezes no mesmo rio, pois tanto o homem quanto o rio nunca são os mesmos”. O pensamento do filósofo grego (talvez dispensável para se chegar a esta conclusão) deixa claro que o Brasil não sediará “novamente” a Copa do Mundo, pois, passados sessenta e quatro anos, ambos não são os mesmos.

A de 1950 foi a primeira pós-guerra. A insanidade de líderes europeus havia levado ao cancelamento da competição em 1942 e 1946. A FIFA chegava com nobres e sinceras intenções. O futebol, popularíssimo, serviria para reaproximar as nações, principalmente as europeias, que tentavam ressurgir das cinzas de sua brutal autodestruição. A disputa se daria no campo de jogo, menos violenta, sem mortos nem feridos. Bola em lugar de armas.

Agora, 2014, a Copa é um produto gerador de lucros exorbitantes. A atrativa ética do fair play, exigida dentro de campo, mais parece um véu que encoberta a realidade, não tão ética assim, de uma instituição que se tornou bilionária. Não por coincidência, aqui ela acabaria encontrando companheiros e espaço fértil para agir.

O Brasil de 1950 ainda era preponderantemente rural, mas iniciava a sua industrialização e a consequente urbanização. Nossa autoestima estava em alta: éramos miscigenados, ordeiros, desprovidos de preconceitos e estávamos construindo um grande país. Em nosso subconsciente coletivo, a Copa serviria para ensinarmos aos “gringos” como viver em harmonia. Nós éramos os civilizados que estavam acolhendo os bárbaros europeus. Razões de sobra para o Maracanazo nos ter feito chorar.

O Brasil de 2014, ao contrário, é um país dividido, violento e descrente, tal como a Europa pré-guerra. A história agora se repete, porém invertida. Enquanto os europeus se aproximaram e cresceram, nós estamos caminhando na direção oposta, àquela que conduz ao caos. Tudo é motivo para bloquear estradas e avenidas, prejudicando milhares de pessoas. Incendiar, depredar e saquear virou moda. São sinais de incivilidade, que beiram as raias de guerra civil.

Em 1950, a campanha “O petróleo é nosso” tinha no General Felicíssimo Cardoso um dos seus mais ferrenhos defensores. O interessante é que Felicíssimo, conhecido como “general do petróleo”, era tio de Fernando Henrique Cardoso, mais tarde o presidente da república que quase privatizaria a Petrobras. De “O petróleo é nosso”, surgiu e prosperou a estratégica Petrobras, que, apesar de oficialmente continuar estatal, na prática foi privatizada, pois quem a controla é um pequeno grupo para quem o proveito próprio está acima dos interesses maiores do país.

Neste 2014, se houver outro Maracanazo, poucos irão chorar. Tomara que não ocorra, pois forneceria mais combustível aos que se alimentam do ódio e da violência, dos quais já chegamos ao limite. Por isso, esperamos que a Famiglia Scolari faça jus ao seu milionário salário. Além do mais, o impune desmonte da Petrobras já nos tem provocado suficientes lágrimas.

48 Respostas para “1950 não se repetirá (clique)”

  1. Gustavo Rocha da Silva Diz:

    Uma excelente comparação entre o Brasil de 1950 e o de hoje. Mudou o Brasil, mudamos todos nós e queira Deus que nos tenhamos mudado para melhor, se bem que algumas evidências apontam justamente o contrário …

  2. EDMAR LUIZ KRISTOCHIK Diz:

    Boa sorte para nós General Bonat (vou torcer ardorosamente pelo nosso time, no contexto esportivo) e que em outubro essa corja de ladrões seja varrida do poder. Pelo menos sonhar nós podemos. Abração!

  3. Alfredo Cherem Filho Diz:

    Meu Caro General
    Suas palavras retratam o momento em que estamos vivendo, onde governantes andam na contramão de seus governados, espero que em breve eles sejam banidos para o bem de nossa pátria, obrigado pelo envio.
    Um grande abraço
    Alfredo 10.06.14

  4. Aurivio Souza Jr Diz:

    Parabéns General !

    Brilhante como sempre , suas palavras refletem os distintos momentos vividos pela história de nosso País , quando nos deparamos com uma instituição privada , como é a FIFA , determinando ordens e literalmente ” rasgando” nossa Constituição Federal com suas imposições , temos total visibilidade do domínio capitalista sobre os intereses de uma nação , em prol de seus lucros.
    Ah que saudade do futebol nostalgico ! do esporte encantador das massas , dos jogadores que como Garrincha , encantaram uma geração em nome da arte.

    Forte abraço e uma vibrante continência

  5. Carlos Alberto Peron Ramos Diz:

    Caríssimo General,

    Suas palavras foram muito bem escritas mas infelizmente tenho que discordar quanto a torcida. O futebol há muito é um evento “gasto”, pasteurizado, máquina geradora de dinheiro e formador de ídolos totalmente contrários ao que um cidadão que almeja o bem e o saber desejam para seu povo. Até o “Rei”, que infelizmente para mim não passa de um vassalo nos deixa tristes com suas palavras mais que idiotas. Outros tantos ditos intelectuais tiveram uma vida não muito digna de exemplo (vícios, bebidas, etc). O que dirá desses novos “tá-lentos” que prosperam hoje em dia, mal sabem ler o Caminho Suave (aprendi nessa cartilha). Acredito que o verdadeiro patriotismo agora é acabar com essa mentira que vendemos ao mundo, temos que resgatar ideais mais nobres, buscarmos competitividade internacional com produtos mais sérios e vantajosos para o país, exportação de jogador de futebol e mulata não dá mais não é mesmo? Bem, com isso dito, é claro, vou torcer sim para que o Brasil seja eliminado o quanto antes, temos eleições difíceis nesse país ainda este ano e fazer o quê, é na dificuldade que se cresce, o Brasil infelizmente precisa passar apertado para mudar. Vamos que vamos!

  6. Orivaldo Omodei Diz:

    bom dia General . É difícil saber o que será melhor para a nação (e para as eleições). Chorar a perda do título, ou ver aquele que “nunca sabe de nada”, vangloriar-se de ter trazido o torneio para o país.

  7. GABRIEL CRUZ PIRES RIBEIRO Diz:

    Bonat,
    Parabéns pela brilhante comparação desses dois períodos.
    Ao contrário de muitos, acredito que se o Brasil for eliminado, de preferência na primeira fase, será melhor para o país.
    Se for campeão, isso será usado politicamente para reeleger Dilma e Cia Limitada.
    O povo tem que acordar para a realidade deste desgoverno e dar uma resposta nas próximas eleições.
    Abs.
    Gabriel (029)

  8. valderez archegas ferreira Diz:

    Bom dia Gal. Hamilton Gostei de ler a comparação da situação do Br entre 1950 e 2014. Que situação.. e agora? usamos o ditado ” se ficar o bicho come se correr o bicho pega” .
    Abraços
    Valderez

  9. Gonzaga Diz:

    BONAT….ACHO QUE NÃO CONSEGUIREI TORCER CONTRA A NOSSA SELEÇÃO DE FUTEBOL.FAREI TUDO QUE PUDER PARA TIRAR ESSA gentalha criminosa DO PODER EM OUTUBRO , NAS ELEIÇÕES! ABRAÇÃO ! LAGONZAGA

  10. bonat Diz:

    Cumpadi…
    Tu ta ficando bom heim…..parabens
    Grande abç a todos.
    Tonhão

  11. bonat Diz:

    Amigo Bonat
    Bom dia!
    Ótimo artigo, não só a Família Scolari, como a de todas as famílias dos donos das construtoras estão com as canjicas à mostra. Só no estádio Mané Garrincha foram gastos mais de 1 bilhão, estive em Brasília recentemente, é uma obra horrorosa, no máximo, no máximo vale uns 150 milhões (olha que é muito). Cada assento no Mané, saiu pela bagatela de 20 mil reais, a utilização do estádio pós copa é questionável, receberá jogos do famoso Gama, clube da segunda ou terceira divisão de Brasília.
    Não precisamos ir longe, as espertezas dentro e fora da Arena levaram o dinheiro público, e não vejo perspectivas de retorno, pois está nas mãos de “Metralhas”, quem não os conhecem, não coloquem a mão no fogo.
    As construtoras participantes das licitações, todas unidas por fortes vínculos com o poder, tiveram suas obras superfaturadas, o elefante branco da “ponte estaiada”, obra que além de interferir esteticamente na região, custou o valor de dez viadutos padrão ou mais.
    Fico por aqui, e que a Copa passe logo, pois já atrapalhou muito nosso dia a dia.
    Abraços! Antonio

  12. Nestor Jesus de Sant'Anna Diz:

    General Bonat. Excelente a sua crônica, suas comparações, etc.etc. Aliás, como sempre.
    Bem sabemos, como algumas ponderações já registraram, que ganhar essa copa significa perdermos definitivamente o controle do país. Enquanto os holofotes da mídia giram, buscando novos escândalos políticos,(sabedores que de tantos, nada redundará), novas tatuagens ou penteados das celebridades ludopédicas,aquela meia dúzia encastelada há quase 12 anos no poder trabalha diuturnamente na consecução de decretos sob a luz gramsciniana, transformando o nosso regime para comunista, MAS. sempre falando em DEMOCRACIA. Nominá-los se faz desnecessário, haja vista que os compatriotas que aqui postam têm pleno conhecimento de todos eles, inclusive do último,sob a batuta da casa civil, a dos “sovietes” brasi/bolivarianos. Só nos resta que alguma seleção incorpore o então imbatível Obdúlio Varela e algum jogador tenha lampejos do ainda vivo Gighia e assim acontecendo nos enseje uma arrancada total, da imensa maioria do povo brasileiro, contra esse abismo terrível onde já inciamos uma descida quase inexorável. Ainda há esperança, portanto vamos torcer pela NAÇÃO BRASILEIRA E SEUS OBJETIVOS NACIONAIS DEMOCRÁTICO/CRISTÃOS,dando de ombros ao que esse bando de milionários do futebol possam ou não “FAZER PELO PAÍS”. De certo, apenas para si e seu estafe. Neste momento, confundir ufanisticamente seleção de futebol com os altos interesses da Pátria Brasil é coisa “mal intencionada,arquitetada por elles”. Se em 1970 “elles” mesmos consideraram que o regime democrático então vigente ,contrário aos interesses bolcheviques, usou a seleção e o fruto do tri para solidificar-se no poder, “elles” agora comem do mesmo prato, descaradamente. BRASIL ACIMA DE TODOS !!!

  13. bonat Diz:

    Prezado amigo Gen Bonat.
    Excelente o comparativo das copas e, apesar das deficiências do cenário nacional, vamos ver se o Brasil levantará mais uma vez a taça. Tomei a liberdade e sugeri a um colunista do Jornal Pioneiro para publicar seu artigo e, se publicar, lhe remeterei um exemplar. Forte abraço do Zart.

  14. Betty Diz:

    Caro Hamilton:
    Como sempre excelente abordagem sobre o tema em questão.
    Não mais 1950 com as peculiaridades da época e sim 2014 com expressivas diferenças e interesses outros.Mas vamos torcer para que o Brasil se destaque ao menos pelo futebol, independente dos “mal-intencionados” que lucram com esta efêmera alegria do nosso povo!
    Abraços

  15. Paulo Cesar Diz:

    MB, Bonat. Quando vemos estas quantias incríveis dos homens do futebol, temos vontade de chorar ao imaginarmos que com o que ganham em um dia, nossos famintos brasileiros viveriam muito bem.
    Mas…. o MERCADO é que está na fonte dessas quantias milionárias.
    Abração

  16. Pinto França Diz:

    Amigo Bonat.
    Excelente seu artigo.
    Também torço para o Brasil ganhar a copa.
    Em outubro, espero ganhar outra grande copa, ou seja, ficarmos livres da corja que se apossou do país.
    Grande abraço .
    Pinto França

  17. Brugalli Diz:

    Caro amigo Bonat. Os esperados “lucros exorbitantes” foram antecedidos por “despesas astronômicas”, “desvios inconfessáveis” e enriquecimentos polpudos. Entre 1950, que vivi com a intensidade de um jovem de 19 anos, com direito a “foto no morro do aviário”, tivemos o tri no México em 1970. Quem não sabe pegue o Diário de Notícias de Porto Alegre, daquela data e leia, na capa, o palpite do Presidente Medice. Brasil 4 x Itália l. O treinador era o Capitão Coutinho, professor da Escola e Educação física do Exército. Havia respeito e disciplina e havia, acima de tudo, vergonha na cara. Ainda não haviam inventado a “famiglia”.
    Um abraço do Brugalli.

  18. Leonardo A. Borges de Castilhos Diz:

    Caro Bonat,

    Excelente artigo e comparação entre os dois períodos.
    Quanto a nossa seleção brasileira, e por ser brasileiro, torcerei fervorosamente para o Brasil, para que a beleza deste país seja mostrado para todos aqueles que gostam de futebol. Em outubro é outra história e teremos que fazer história para todos juntos fazermos uma mudança, uma virada política, colocando para nos representar pessoas honestas, com princípios e valores.

  19. Afonso Pires Faria Diz:

    Excelente general. Poderia encher uma página elogiando o seu trabalho de pesquisa, mas me tornaria repetitivo.
    Meus parabéns.
    Afonso

  20. bonat Diz:

    Caro amigo Bonat.
    Excelente, como sempre. Exprime o sentimento de muitos.
    Abraços,
    Renato

  21. Vanin Diz:

    Mais uma bela cronica. Meu sentimento é que esta copa não é do Brasil: é do PT, da FIFA e das empreiteiras; e esta seleção não é do Brasil: é da CBF, da Globo e de empresários. Não vou torcer contra e nem a favor, muito pelo contrário.
    Abç

  22. Vanin Diz:

    Quanto ao Brasil: tivemos ditaduras civil e ditadura militar; governos democráticos de direita e de esquerda. E o Brasil sempre dando um passo pra frente e dois para trás. Bonito e triste Brasil.

  23. Shitiro Tanji Diz:

    Excelente observação, General.
    No mês de abril passado visitei o Rio Jordão. O Rio não é o mesmo e muito menos os homens.
    A Copa de 50 nada tem a ver com a de 2014. Somente restou o Maracanã, daquela fatidica Copa quando o Brasil inteiro chorou. Crucificaram o coitado do goleiro Barbosa que morreu pouco tempo atrás na baixada santista, pobre e esquecido. Hoje, os sentimentos são outros, bem como, os interesses dos organizadores. Se não levarmos essa Copa nada acontecerá aos envolvidos.
    Vamos torcer para a equipe canarinha com um “baita” medo no peito. Se for campeã os atuais governantes usarão a Taça como troféu de uma grande realização e o povão, certamente, aplaudirá premiando-os com a reeleição.
    Abraços, S.Tanji

  24. Carlos Gama Diz:

    Excelente análise e ótimas comparações, para não deixarem que esqueçamos desta triste encruzilhada em que nos encontramos.
    Parabéns, General Bonat!

  25. ROSELENE FERREIRA Diz:

    OI AMIGO DO CORAÇÃO!
    COMO SEMPRE,SÓ ELOGIOS PARA TUA CRÔNICA. CADA VEZ MELHOR.
    VOU ME ABSTER DE FALAR SOBRE O ASSUNTO PORQUE TENHO NOJO.
    QUERO MAIS É QUE ESTA FAMIGLIA SE EXPLODA.
    SOU A FAVOR DA PERDA DA COPA.
    SOU A FAVOR DO POVO CAIR NA REAL.
    ABRAÇOS.
    ROSELENE.

  26. André A. Dambros Diz:

    Parabéns grande Chefe
    É uma constatação corretíssima e sabemos nós que os votos já comprados estarão represando nossas águas nas eleições, mas uma boa campanha será a única forma de tentar abrir as comportas em nosso favor.
    Parabéns e um forte abraço.
    André

  27. Gilberto Lima Santos Diz:

    Caro General Bonat, parabéns mais uma vez pelo artigo e independente de opções partidárias e pela situação que se encontra a politica no país como bons cidadãos devemos torcer sempre em qualquer situação pelo melhor para o BRASIL, tanto na copa como nas eleições.
    Um abraço.

  28. anita zippin Diz:

    bonat,
    bom,lúcido e feliz até nas infelizes comparações.
    continue a ser um bálsamo em nossas almas com palavras que tocam fundo nosso coração, por mais doloridas que sejam.
    brasillllll!!!!
    anitazippin
    vice-presidente
    academia de letras jose´de alencar

  29. Roberto Diz:

    Amigo Bonat!
    Trabalho MB!
    Vamos viver uma disputa de copa do mundo que começa dia 12 de junho e arrastar-se-a até as eleições de outubro… Por que? O brasileiro gosta muito de futebol ou entende muito de política?
    Um grande abraço. Roberto.

  30. Reneu J. K. Diz:

    Excelente artigo Gen Bonat. Deveria ser publicado na grande mídia, nos principais jornais de circulação e da internet. Os coentaristas e blogueiros precisam aperfeiçor o senso crítico através de informações mais objetivas e convincentes.

  31. renato balen Diz:

    Caro amigo Bonat!
    Excelente e muito apropriada sua comparação. Nosso país, onde uns são mais iguais que os outros (não somos mais todos iguais perante a lei) confesso ser muito difícil para mim torcer pelo Brasil. Estive na Europa há poucos dias e conclui que o Brsil deveria ser dividido em países menores, pois sendo muito grande e de diferenças regionais muito acentuadas, torna-se dificil de administrar, porém de grande facilidade de desviar recursos e rouba-los do povo. Por isto, será muito dificil que se admita a sua divisão. Quanto maior, mais dificil de fiscalizar os desmandos. Veja, de onde veio a fortuna acumulada pela família do Lula? O fisco fiscaliza a nós que temos que informar de onde veio o dinheiro se trocamos nosso carro ou adquirimos alguma bem de valor significativo. Quando os milagres acontecem e fortunas aparecem de repente, sendo de políticos, fica tudo por isto mesmo. Em compensação não temos saúde, educação de faz de conta, estradas deterioradas, sem a segurança que tinhamos no tempo do regime militar (hoje nós que vivemos atrás das grades, de cercas elétricas, etc…)e muitas coisas mais. Infelizmente não vejo perspectivas de uma melhora em nossas condições de vida, principalmente com os políticos que aí estão.
    um abraço
    do amigo renato balen

  32. bonat Diz:

    Bonat,

    Excelente artigo e comparações inteligentes.
    Foste brilhante.
    No mais, campeão ou não, c’est la memme chose!
    Abração. Dorival

  33. Paulo Cesar de Castro Diz:

    Caro amigo Bonat,
    Sou seu leitor assíduo e admirador de suas lúcidas palavras, como as deste artigo.
    Cumprimento-o por expressar tão bem o sentimento de tantos, inclusive os meus.
    Meu esforço será o de “não torcer contra a equipe do Brasil”, mas confesso que se essa equipe não chegar à final será melhor para todos os brasileiros de boa vontade.
    Parabéns,

    Gen Castro

  34. Paulo Meyer Diz:

    Prezado Gen Bonat, esta é mais uma apreciação muito bem colocada, como, aliás, todas que publica. Só lamento não me empolgar com a realização desta copa, haja visto as mentiras e falcatruas que emolduraram e ainda se imiscuem no fato. Temo pelo descaramento dos “Petralhas”, que continua evidente, e que certamente irão aproveitar um eventual vitória final na copa para se lambuzarem com os louros da vitória, e se promoiverem, visando o pleito de outiubro!!!!!!! É uma l´pastima, vermos o maravilhoso espetáculo do futebol, tanto nacional como nos torneios além-ma, e, a cada copa do mundo, nos deixar com a adrenalina mais ativa, este mesmo futebol, ser utilizado distorcidamente, em prol de interesses comerciais, politiqueiros!!!!!!!!! Lamento, mas, vou torcer pelo espetáculo em si, que não gtenha violência física de espécie alguma, que as arbitagens sejam firemes e corretas… Quanto ao resultado fiunal……. bem, tenho receio do que possa vir a acontecer, dentro e fora dos gramados, durante e depois das disputas, principalmente, depois na final, seja um novo Maracanazo ou não, se é que o Brasil estará disputANDO ESTA FINAL. FORTE ABRAÇO

  35. Juan Koffler Diz:

    Preclaro amigo,
    Gostei da sua estratégia de comparação entre os dois mundos: 1950 e 2014, e a copa (assim mesmo, em minúscula depreciativa) de ontem e de hoje. Um universo de diferenças, em amplo e abrangente sentido.
    Não há como comparar um Brasil e outro, e você já dá lições mais que suficientes para que o bom observador/leitor veja o quanto regredimos.
    Acabei de enviar um artigo para o jornal regional que faz similar comparação, mas entre a criação dos “soviets” (em 1905) e seus sucessivos banhos de sangue, e o famigerado Decreto n. 8243, lavrado na calada da noite e no esfuziante fervor da pré-copa, com mais que clara intenção de arremedar a intentona russa de inícios do século passado e a tupiniquim tentativa de “copiar e colar” os sovietes brasilis do vermelho-vergonha. Se deixarmos que essa excrescência jurídica venha a termo prático, choraremos lágrimas amargas.
    Meu querido amigo, para mim – com todo respeito – não haverá copa. Recuso-me a torcer por um Brasil pior; recuso-me a aplaudir roubalheiras bilionárias, enquanto nosso povo passa penúrias de toda espécie; recuso-me a ver 10 segundos que seja de qualquer jogo dessa copa, pois não tenho um botão “liga-desliga” em cérebro, que consiga apagar o ódio revoltante que nutro por esses sanguessugas sociais que nestes últimos 11 anos, fizeram muito, muito mais para destruir nossa nação, do que nos últimos 500 anos.
    Perdoe-me, Bonat, mas prefiro minha rotina normal de atendimento aos meus alunos de doutorado, tão ou mais revoltados do que eu e que certamente não se deixam cegar pela bilionária propaganda canalha desses celerados.

  36. Ariel P. da Fonseca Diz:

    Meus cumprimentos, caro amigo Bonat!
    Eis mais uma inspirada crônica que apresenta análise perfeita da Copa do Mundo em face do caos nacional.
    Abraços calorosos.
    Ariel Fonseca

  37. Nina Maria Marach Carpentieri Diz:

    Querido primo,tenho pensado muito nestes dias pré copa, nas comemorações e torcida que fazíamos, nesta época.Tempos inesquecíveis.Sinto muito meus netos não terem a mesma oportunidade, este ano.Uma pena… Todos com o coração apertado, com o que estamos vendo por ai… Uma pena!

  38. Dirso Diz:

    Bom dia, meu amigo e meu líder, Gen Bonat.
    Mais uma brilhante crônica. Que Deus conserve a sua facilidade e o seu brilhantismo na transmissão dos pontos de vista de muitos que assim gostaria de transmitir seus pontos de vista, mas lhes faltam a facilidade em formula-las e passar para o “papel”.
    Como sempre, gostei muito da sua crônica. Hoje, os mais sensatos já não mais se emocionam tanto como outrora, com os resultados de mais um jogo de futebol, mesmo sendo uma Copa do Mundo desse esporte em nosso país, até porque de nosso mesmo é só o território pois quem de fato dá as ordens é a tal de FIFA. Lamentável! Não mandamos nada nem dentro do nosso próprio país. ???

  39. bonat Diz:

    Gostei sim amigo gen.Bonat

    Um forte abraço e continue assim pois tenho prazer em ler seus artigos

    Jair [5o.GACAP]

  40. Gabriel (Oliveira 643) Diz:

    PREZADO COMANDANTE:

    Me privo de fazer qualquer comentário ao seu comentário espetacular, que para pessoas com um QI mínimamente capaz de entender as entrelinhas, demonstra o tipo de País que estamos vivendo e o tipo de bandido que nos está governando. Não tenho o dom da palavra para demonstrar minha admiração pelo seu conhecimento e inteligência. Só PARABÉNS.

    Gabriel (643 Oliveira)
    Forte abraço.

  41. Amilton Cesar Marinho Dias Diz:

    Caro Gen. Bonat.
    Gostei do artigo, e concordo que não haverá aquela tristeza do Maracanazo. O povo brasileiro naquela época era mais ingênuo, mais apegado a ideais e talvez assim fosse mais patriota. Hoje mudou o paradigma o de ser , por o ter, e os valores mudaram para a nossa sociedade, infelizmente. Confesso que não iria torcer para o Brasil, porém, é impossível para mim não o fazer, apesar de todos os fatos que temos notícia. Parabéns pelo artigo.
    Forte abraço.
    Amilton

  42. ALEXANDRE FREIRE Diz:

    Excelente artigo Sr. Bonat.
    Parabéns!

    Alexandre

  43. Renato Silva e Silva Diz:

    Caro Bonat
    Como sempre mais uma bela página de sua produção. Parabéns pelos cenários mostrados. Infelizmente, pela primeira vez desde 58 quando morando aí em Curitiba ainda menino vibrei com o primeiro título do Brasil, não estarei torcendo pelo êxito da seleção mas sim pela correção do rumo na politica nacional. Entendo que aos beneficiados da politica (des)governamental do “pão e circo”, não podendo atingi-los com a perda do pão , leia-se bolsas, a solução é decepcioná-los com a apoteose do circo ao revés. Imagine um resultado exitoso, como será usado pelos marketeiros que logo irão atribuir ao Lula e sua troupe os méritos da conquista com proveitos eleitoreiros. Pessoas com nossa formação e criação saberiam torcer pela seleção e de forma isenta puni-los nas urnas, mas temo pela classe carente movida justo ao maldito “pão e circo”. Será uma Copa triste para mim mas espero que nossos netos possam usufruir de um País mais justo, com educação , saúde e segurança dignas, e que celebrem num clima maisvadiante conquistas futuras de muitas Copas mais, não essa.
    Um forte abraço
    Renato

  44. Laura Vaz Diz:

    Caro general,
    Como sempre, brilhante sua crônica. Mas, mais uma vez me deixa com aquele mal-estar de sentir-me impotente diante da situação atual. Seu texto toca a ferida e obriga a gente a lembrar, a analisar e concluir que estamos jogados às traças nesse País. Sem chances de melhora. À mercê de um grupo que estraçalha a Nação. Ganhando a Copa, com certeza usarão os resultados a seu favor. Perdendo a Copa, com certeza colocarão seus baderneiros nas ruas para que exercitem sua costumeira violência. Estamos perdidos da mesma forma. Duvido que a urna nos salve.
    Grande abraço.
    Laura

  45. Joaquim Cardoso da Silveira Filho Diz:

    Prezado Hamilton,
    O sucesso da XX Copa do Mundo,em termos esportivos, é mais que desejável e prescinde da vitória do escrete brasileiro. Importa é a beleza das disputas, com seus dramas e alegrias. Mas o sucesso esportivo não validará o desatino cometido pelo País, ao torrar dinheiro precioso e tão necessário a setores fundamentais, como saúde, transporte, segurança etc. E espero que nossa vitória em campo, se vier, não seja anestésico para as dores da Pátria.
    Parabéns por mais este preciso texto, do qual emerge o amargo contraste entre o Brasil de 1950 e o de hoje.
    Forte abraço,
    Joaquim

  46. Joaquim Rocha Diz:

    Prezado amigo Bonat
    Desculpe a demora do comentário. Até foi providencial, porque se eu tivesse respondido logo depois do recebimento, minha opinião seria outra, mais otimista para a fam Scolari. Infelizmente, com o futebol apresentado até agora, nosso escrete não irá adiante, a menos que o Felipão apresente fatos novos. Particularmente, acho que tanto a vitória da Seleção, q Quanto a sua comparação, foi bem colocada

  47. Joaquim Rocha Diz:

    Peço desculpas novamente a voce e aos seus leitores pela minha falha. Continuando do ponto interrompido, acho que tanto a vitória como a derrota, influenciarão nas eleições que vem por aí, (mais a derrota do que a vitória). Quanto ao seu comentário, achei bastante válido, parabéns pelas suas colocações sempre oportunas.
    Forte abraço do amigo
    Joaquim Rocha

  48. Enrico Maggi Diz:

    Amigo Bonat…Parabéns.Pelo acerto e oportunidade, de mais uma peça elucidativa, de sua lavra.Lamentável lição,onde vimos nosso futebol arte foi ultrapassado pela tecnologia aplicada ao treinamento físico e a força de vontade.E que Scolari, já era. A PETROBRAS, assaltada por quadrilha “chapa branca”, será o pano de fundo para a mudança desse nosso “status quo”.Tudo deverá ser enquadrado dentro da Lei.-Que a “sic” bolivariana não revogue as leis que a enquadram. Nada de açodamento militar.É só impor o cumprimento da Lei.”Se os valentes não combatem os covardes vencerão”.ABRAÇÃO.

Deixe um Comentário