Santos, seus fortes, fortalezas e suas cartolas

Ao fundar a vila de São Vicente, Martim Afonso daria início à rica história da Baixada Santista, cuja trajetória poderia ser contada pelas fortificações que foram sendo erguidas como parte de um complexo plano de defesa. A primeira foi Santo Amaro, a fortaleza (foto) que, desde 1584, vigia a expansão das comunidades em torno do mais importante porto do país. Com o tempo, várias outras surgiriam, até a inauguração, em 1942, do Forte dos Andradas. Durante a Segunda Guerra, seus canhões cruzariam fogos com os da Fortaleza de Itaipu,para proteger a barra das ameaçadoras belonaves do Eixo.

Um presente que recebi de José Roberto Garcia, um entusiasta de Itaipu, motivou-me a discorrer sobre ela. Na obra Belezas da Fortaleza, com sensibilidade e talento, amantes da fotografia nos revelam detalhes despercebidos por quem não tem o dom de enxergar o belo, mesmo que esteja a centímetros dos seus olhos. Com a pontaria certeira de suas objetivas, eles retrataram a centenária Itaipu, não só sob o aspecto arquitetônico, mas e sobretudo, com uma visão humana e ambiental.

Ao folheá-la, sente-se a presença dos desbravadores, que há mais de um século enfrentaram a densa mata, abrindo caminho para a passagem dos canhões Schneider-Canet de 150 mm. Depois dos pioneiros, vieram milhares de outros, cada qual com sua própria experiência de uma nada fácil vida de soldado. Lembro-me de um, a quem tive o privilégio de conhecer, quando ali servi nos anos de 1974/75: o Capitão Galileu Ramos, ex-combatente da Força Expedicionária Brasileira. Recordo-o, já idoso, fazendo questão de cumprir o expediente. Soube que, mais tarde, doente e praticamente cego, continuaria a desfilar nas paradas diárias, à frente da sua banda de música. São pessoas como ele que vêm à mente quando se visita qualquer dos baluartes espalhados pela costa paulista.

Mas a história da Baixada poderia, ainda, ser contada a partir da determinante atuação dos irmãos Andradas no processo da independência e, também, por sua visão de estadistas e sua postura ética em relação à coisa pública.

Há um episódio revelador de sua honestidade. José Bonifácio era titular da Pasta do Império e Martim Francisco, da Fazenda. Um dia, ao receber seu vencimento e colocá-lo na cartola, Bonifácio saiu à rua e, por onde passava, ia retribuindo a saudação das pessoas. Quando se deu conta, de tanto tirar e repor a cartola, o dinheiro havia sumido. Retornando ao palácio, contou o sucedido a D. Pedro. O imperador, lamentando a perda, chamou Martim e mandou que ele sacasse do Tesouro outro pagamento para o irmão descuidado. O ministro da Fazenda se recusou: “Nada disso, o senhor José Bonifácio só vence um ordenado por mês, como qualquer outro funcionário. Por isso, peço licença a Vossa Alteza para repartir com ele o meu subsídio, mas não posso pagar-lhe duas vezes”.

Por essa e outras, os Andradas são tão admirados. Por isso mesmo, são evocados em duas unidades que lhes trazem o nome: o Forte dos Andradas, no Guarujá, e o Grupo José Bonifácio, aquartelado na Fortaleza de Itaipu.

Fortificações não se aposentam. Nem morrem. Da mesma forma, são imortais os exemplos dos Andradas e de outros brasileiros, homens e mulheres, que forjaram esta Nação. Eles deveriam ressoar como ensinamento perene sobre o caráter das pessoas. Infelizmente, tudo leva a crer que os atuais responsáveis pela condução dos nossos destinos não leram as páginas vivas que eles escreveram.

31 Respostas para “Santos, seus fortes, fortalezas e suas cartolas”

  1. Sinicio Diz:

    Prezado Hamilton Bonat.
    Feliz do povo que tem entre seus filhos aqueles que
    PREZAM PELA SUA MEMÓRIA. Um “povo sem memória”, muito antes de ser um povo, é, de fato, um sonho: mera ilusão, vera quimera.
    Ou não há, ou deixará de ser.
    Respeitosamente – Sinicio

  2. Paulo Meyer Diz:

    Muito peculiar e lindo, este episódio com José Bonifácio e Martim Francisco… Sensacional… E emoldurado pela vossa belíssima crônica!!! Parabéns!!! Forte abraço Paulo Meyer

  3. bonat Diz:

    Caro amigo Gen Bonat.
    Bela história retratada pelo seu artigo, em especial o exemplo deixado pelos irmãos Andradas. Parabéns e forte abraço do Zartão

  4. Juan Koffler Diz:

    Preclaro amigo Bonat: Sem qualquer conotação de adulação, por mais sub-reptícia que fosse – afinal, não é do meu feitio e você bem sabe disso -, é sempre uma honra e satisfação ler seus escritos, mormente quando fazem alusão a fatos históricos indelevelmente gravados na mente daqueles que amam sua pátria. Pena que sejamos poucos.
    A passagem que você, de forma admirável, retratou neste seu artigo, é um verdadeiro “tapa com luva de pelica” a todos aqueles que hoje – e de há longos anos – fazem questão de tripudiar da nossa grandiosa nação, ferindo-a diuturnamente, sangrando-a com seus atos torpes, em clara demonstração de menosprezo por sua terra e por seus concidadãos. Mas que certamente um dia irão pagar por seus peçonhentos e incivilizados atos, tenha certa disso.
    Parabéns, meu caro amigo! Você abrilhanta e engrandece nossa sociedade!
    Forte abraço!
    Juan Koffler

  5. bonat Diz:

    Muito bom… Abração. Cheers! GD./BYE

  6. Carlos Gama Diz:

    General Bonat, nada mais animador que poder usufruir os frutos deste conjunto de história, de beleza e de sentimentos nobres, que tristemente parecem ir se perdendo no tempo.
    Ainda que os fortes dos Andradas e Itaipu não se descortinem aos olhos nus dos santistas, temos à vista a fortificação da Barra Grande, para nos recontar histórias de lutas e de piratas de outros tempos.
    Excelente a sua menção ao Capitão Galileu, nobre e respeitado soldado que – ao menos de nomeada – é parte da lembrança de quem viveu em Santos na segunda metade do século XX.
    Parabéns!
    Obrigado!
    Fraterno abraço.

  7. Joaquim Cardoso da Silveira Filho Diz:

    Prezado Hamilton,

    Cumprimento-o por mais este belo texto, que evoca o melhor de nossa nacionalidade. A lamentar que exemplos tão dignificantes permaneçam quase completamente esquecidos, ou mesmo ignorados, pelos que mais deveriam tê-los como medida de conduta moral, caso de nossa classe política, mas não apenas ela.
    Abraços,
    Joaquim

  8. Gustavo Rocha da Silva Diz:

    Prezado General Bonat:

    Obrigado. Aprendi mais um pouco da História do Brasil e com prazer registro “Fortificações não se aposentam. Nem morrem.”, frase absolutamente verdadeira e de claro sabor poético, muito coerente com

    “Da batalha sinistra a melodia
    É mais alta na garganta da pesada Artilharia”.

  9. Afonso Pires Faria Diz:

    Que bela explanação sobre o que é este lindo pedaço de terra. Uma pena que tão pouco conheço. Mas o brilhante texto me reporta ao lugar e os detalhes me fazem sentir como se lá estivesse. Parabéns general.
    Afonso Pires Faria – Caxias do Sul

  10. bonat Diz:

    Ao amigo Bonat
    Como paulista e lembrando que minhas férias escolares eram passadas em São Vicente-Biquinha,
    foi com muita satisfação que recebi esse seu artigo.
    Parabéns como sempre pela forma como resgata a nossa história, cobra e mostra valores, às vezes esquecidos, escrevendo de modo fácil e agradável.
    Um abraço
    Renato

  11. Mario Gardano Diz:

    Bonat,sou paulista,mas com os 2 pés em Santos,amo a cidade,inclusive hoje estou aqui lendo teu relato, e por uma incrivel coincidencia da janela do apartamento na Ponta da Praia, vejo uma nesga da Fortaleza de Santo Amaro,é bom conhecer nossa geografia,ilustrada por histórias que dignificam os primeiros mandatários do nosso pais;pena que poucos seguiram este zelo com o dinheiro publico.
    abraços
    Mario Gardano

  12. Paulo Cesar de Castro Diz:

    Prezado irmão de armas,
    Boa noite!
    Belíssima página sobre belíssimas fortificações e exemplares vultos que tanto honram nossa História. Você resumiu com sensibilidade e patriotismo a emoção que toma conta de quem olha e, de fato vê, a histórica região visitada. Parabéns!

    Ar…ti…lha…ria!

    Gen Castro

  13. Luiz Carlos Soluchinsky Diz:

    Um pouco de nossa história é sempre bom para nós que amamos este nosso país. Belo exemplo dos nobres irmãos Andradas, justamente no dia em que acabo de ouvir a notícia dos milhões que o safado do Malluf terá que devolver. O Brasil é muito forte!!!! Grande abraço

  14. Laura Vaz Diz:

    Caro general,
    Belo texto! Tive a satisfação de conhecer essas fortalezas, a beleza de suas construções e a natureza exuberante que as envolve. Tudo muito bem cuidado! Impossível não sentir a atmosfera de patriotismo que a história conservou em cada canto desses lugares.
    Grande abraço.
    Laura

  15. Betty Diz:

    Como é bom saber dos fatos que você escreve. É sempre uma face diferente e mais abrangente do que a que aprendemos.Abraços

  16. EDMAR LUIZ KRISTOCHIK Diz:

    Infelizmente ainda não conheço essas belezas naturais do nosso país, num futuro próximo tenciono viajar por esse lindo Brasil.
    Mas o que de marcante convém destacar nessa crônica e a necessidade de Andradas nessa nação onde a “maracutaia” virou uma prática política. Nunca a verdade foi tão relativa, na nossa Pátria, como nesse período petista.

  17. roselene ferreira Diz:

    OI MEU AMIGO,
    COM TODA CERTEZA : – N Ã O L E R A M !!!!!!!
    BJS DA
    ROSELENE

  18. Francisco Borges Maciel Diz:

    Caro Amigo BONAT.
    Sem que nos coloquemos na situação de “Maria vai com as outras”, somente temos a elogiar tua crônica em seus aspectos conteúdo(fonte), desenvolvimento, sequência lógica, clareza, interesse e atração despertados, perti-
    nência e oportunidade do assunto.
    Como professores universitários aposentados de História,
    preocupa-nos o trabalho contínuo do PT junto a essa mas-
    sa que vive de “bolsa-esmola disso e daquilo” e que jamais
    terá “um estalo de VIEIRA”. Tememos o surgimento de novos
    conceitos, por exemplo, para corrupção, caráter, honra, moral, educação, civismo, patritismo,crime, cidadania, sobe-rania, obrigações para com a Nação, etc…
    Continue a abordar particularidades brasileiras nesse rítmo.
    Abraços de
    Maciel e Angela.

  19. J.B. Figueiredo Diz:

    Estimado amigo,
    Mais uma vez a clareza e brilhantismo de sua crônica atinge o alvo: fortalecer nos patriotas o amor a sua história e aos bons exemplos deixados pelos honrados antepassados. Infelizmente os que deveriam ler não o fazem nem se pautam pela conduta ilibada. Um, até se desculpa por se gabar de não ter tido escolaridade… Parabéns!

  20. Medeiros Dias Diz:

    Como Artilheiro e filatelista seus conhecimentos muito ajudam para amp
    liar meus conhecimentos de historia, que é minha paixão. Tenho a sua disposição uma revista que descreve todos os fortes e fortalezas de nosso Brasil Aliás, na minha cidade natal temos a bela Fortaleza de N.Sra.de Assunção, sede do QG da 10a.,Região Militar. Sua aula está ótima. Aquele abraço.

  21. Dirceu Rigoni Diz:

    Caro Hamilton,

    Acho que a frase “a boca fala do que o coração está cheio” faz sentido em muitas situações da história. Digo isso, pois percebi em sua crônica Santos, …

    Abraço,

    Zé Dirceu.

  22. ALFREDO CHEREM FILHO Diz:

    Meu Caro General
    Como sempre são brilhantes suas colocações, estes exemplos de correção são inerentes aos militares, que estão intimamente ligados à história de nossa pátria, os políticos que estão no comando atualmente não retratam o nosso povo, espero que nossos benevolentes eleitores possam identificar melhor nas próximas eleições quem realmente tem interesse em bem administrar nosso país.
    Um Grande Abraço, Obrigado Pelo Envio
    Alfredo 18.11.12

  23. Brugalli Diz:

    Caro amigo Gen. Bonat. Obrigado pela aula de história, tema por demais importante para a Academia de História Militar Terrestre do Brasil. A Vila de S.Vicente, os Fortes Sto.Amaro e dos Andradas são testemunhos oculares de nosso passado. O Cap.Galileu Ramos, é mais um dos grandes exemplos de cidadão-soldado verdadeiramente dedicado ao serviço da pátria. Que dizer do Ministro da Fazenda Martin Francisco e seu zelo para com os recursos do erário? A justificativa dele para não pagar em dobro os vencimentos de outro ministro é um mensalão ao contrário. Como faria bem ao nosso querido Brasil de hoje ter, nos grandes escalões da República, “homens regidos pelas leis e não leis para favorecer os homens”. Obrigado, amigo.
    Brugalli.

  24. Carlos Abilhoa Diz:

    Caro amigo Bonat,
    maravilhosa crônica gostaria de conhecer estas fortalezas.
    A honestidade dos Andradas deveria refletir até os dias atuais para moralizar nossa política. Porém, se o ocorrido com José Bonifacio fosse hoje, teriam levado até sua cartola.
    Fraterno Abraço,
    Abilhôa .’.

  25. bonat Diz:

    Prezado amigo Bonat
    Não tenho comentado seus textos para não cair no lugar comum.Sintetisando as apreciações:é uma satisfação ler seus escritos, indiscutivelmente todos são excelentes e sacodem com nossos sentimentos.
    Parabéns pelos trabalhos.
    Um abraço,
    C. Lemos

  26. Lucia Rivoredo Diz:

    Bela crônica.Importantes seus comentários a respeito do exemplo deixado por expoentes de nossa História.
    Quão necessitados estamos de rememorar esses fatos nas nossas escolas!Incutir essas noções éticas em nossos jovens, lutando contra a banalidade, o egoísmo e a incivilidade imperantes na mídia a que têm acesso!

  27. Nina Maria Marach Carpentieri Diz:

    Mais uma excelente crônica, Hamilton! É sempre um prazer aprender um pouco com você. Parabéns por mais este trabalho. Nos faz conhecer mais um pouco de nossa história.
    Forte abraço,
    Nina e Carlos

  28. bonat Diz:

    Prezado Gen Bonat,
    Lembranças a dna Norma.
    OK, Muito bom o seu artigo sobre as fortificações de defesa do Porto de Santos.
    Como sabe, este assunto é um “hobby” para mim.
    Estou encaminhando o endereço do seu site: http://www.bonat.com.br para o amigo Cel José Claudio.
    O José Claudio, da DPHCEx, foi o artífice-executor do 8º Seminário de Cidades Fortificadas que ocorreu no Forte Copacabana reunindo representates de onze (11) países. Todos “vidrados” em fortificações.
    http://www.8seminariocidadesfortificadas.blogspot.com.br
    O site do José Claudio: http://www.culturanapratica.blogspot.com.br
    Este site há um artigo meu sobre fortificações. Espero que goste, assim como gostei muito do seu artigo.
    Mais uma vez, PARABÉNS!!! pelo(s) excelente(s) artigos (s) do seu site. O (s) por conta do destaque que espero dar ao artigo sobre fortificações…
    Abs/
    Secomandi

  29. Joaquim Rocha Diz:

    Prezado amigo Bonat
    Admiro a história de Santos e seus fortes. Graças a esses desbravadores, é que nós temos um Brasil continental, hoje.
    Tudo tem sua época, e, se fosse hoje, não teríamos esses heróis nacionais.
    Hoje, o que temos a fazer é a difícil tarefa de preservar esse legado nacional, deixado pelos nossos colonizadores portugueses.
    Abraços fraternos
    Joaquim Rocha

  30. bonat Diz:

    Coloquei na página do Clube Militar! Forte abraço! Balbi

    http://clubemilitar.com.br/santos-seus-fortes-fortalezas-e-suas-cartolas-hamilton-bonat/

  31. diva malucelli Diz:

    Que bela história de honestidade e desapego ao dinheiro, do sr. Martim…
    Quanto a arquitetura das fortalezas, não as conheço, apesar de praticamente ter morado em Santos por um ano e meio, a serviço da Petrobrás, na Refinaria de Cubatão…
    Parabéns e abraços…

Deixe um Comentário