Paraguaio, um povo duplamente traído

Vejam o que pincei nas cartas do leitor de um jornal de Curitiba: “Moro no Paraguai há cinco anos e apenas quem está aqui tem noção do que estávamos passando durante o governo Lugo. Os camperos, com financiamento do ex-presidente, pregavam a xenofobia, principalmente contra os produtores brasileiros e seus descendentes, que eram tratados como estrangeiros”.

Ora, isso não era novidade para o Itamaraty e, logicamente, para o governo brasileiro. Além do mais, desde 2008, nossa embaixada em Assunção alertava: “Lugo não está agradando”. Assim que assumira, ele aposentara as sandálias da humildade de bispo-candidato, para tornar-se cliente de caríssimos alfaiates ingleses. O colarinho eclesiástico, que continuava a usar mesmo não sendo mais religioso, era uma afronta para o imaginário coletivo de um povo preponderantemente católico, que sentiu-se ainda mais traído ao saber da existência de alguns filhos, impensados para um sacerdote. Pior ainda: filhos jamais amparados, gerados com mulheres pobres e sem instrução, uma delas com apenas 16 anos.

Lula bem que tentou salvar o companheiro bolivariano: concordou que nós, brasileiros, passássemos a pagar o triplo pela energia de Itaipu. De nada adiantou. O ex-bispo continuou viajando mundo afora, acompanhado por belas jovens, hospedando-se, a custa do erário do seu país pobre, em hotéis fantásticos, para participar de conferências, muitas sem importância alguma. Tentaria ainda, mas neste caso sem sucesso, que Itaipu lhe presenteasse com um luxuoso “aerolugo”

Notícias sobre escândalos e negociatas espalharam-se no parlamento, nas redações, nos sindicatos, nos foros empresariais, nos encontros de amigos, nas ruas. Nada em benefício da melhoria da infraestrutura e da modernização do Paraguai. A gota d’água foi o envio de policiais desarmados para cumprir ordem de reintegração de posse de uma fazenda em Curuguaty, ocupada pelos carperos, o MST guarani, resultando a morte de 11 sem-terra e seis policiais.

Logo, a goleada que levou dos senadores e dos deputados, corroborada pelo judiciário, tudo de acordo com a constituição, não representou golpe algum, como se apressaram em classificar Hugo Chávez e Cristina Kirchner, a fim de justificar a exclusão temporária do Paraguai do Mercosul. Era do que precisavam para abrir o caminho para a Venezuela de Chávez ter acesso a um mercado comum que, diga-se, já patina ante as intransigências argentinas.

E o Brasil, ao submeter-se aos interesses de Hugo Chávez, repete o mesmo erro cometido na pequenina Honduras do chapeludo Zelaya. Apesar de sua estatura, outra vez apequenou-se, esquecendo das lições do Barão do Rio Branco e de tantos outros diplomatas responsáveis por uma política externa serena e firme, sem interferir nos assuntos internos de outros países e com um entendimento bastante nítido dos interesses nacionais.

Quem conhece minimamente a sua história, sabe que não é nada conveniente mexer com os brios do valente povo paraguaio. É bem possível que ele, que já sentira-se traído por Lugo, vendo agora o Brasil, um aliado estratégico, virar-lhe as costas, opte por sua saída definitiva do Mercosul. E, cá entre nós, com a presença do espaçoso Chávez, talvez venha a ser o único a lucrar com isso.

40 Respostas para “Paraguaio, um povo duplamente traído”

  1. Richard Fernandez Nunes Diz:

    Prezado Gen Bonat,

    Receba mais uma vez meus cumprimentos pela qualidade da sua produção literária.
    Solicito sua autorização para inserir este artigo na seção de publicações do sítio da ECEME, na pasta “De Olho no Mundo”: (http://www.eceme.ensino.eb.br/eceme/index.php/publicacoes).
    Durante o mês de julho, estamos abordando a Crise Paraguaia como tema dos Assuntos da Atualidade.
    Gostaríamos, portanto, de disponibilizar mais essa fonte de consulta para os alunos.

    Respeitoso abraço,
    Cel Richard
    Diretor do Instituto Meira Mattos (antigo CEE)/ ECEME

  2. Edu C. Antunes Diz:

    Amigo Bonat

    Sempre preciso. Parabéns!
    A presidência do “Bispo reprodutor”,sempre foi motivo de reclamação do povo paraguaio. Só podia acabar desta forma.
    O que é inaceitável é a ingerência nefasta de países como o Brasil – com a pior chancelaria da história do Itamarati – que, quando é de sua conveniência, falam que não podem dar opinião em atitudes de outros países (desde que que não estejam inseridos Forum de São Paulo).
    Está pegando muito mal aos olhos da comunidade internacional que vê a incoerência de nossas “autoridades’ com suas decisões ideológicas.
    O futuro dirá quem tem razão.Com certeza o povo paraguaio.

    Abç

    Edu

  3. eduardo egydio de oliveira Diz:

    Estimado Hamilton Bonat
    foi um prazer ler este artigo “paraguaio” que reflete o sentimento
    realista de nossa policita externa
    um fraterno abraco
    2 tenente medico reserva EGYDIO

  4. Carlos Gama Diz:

    O seu texto está muito claro e justo, General, mas eu ainda não consigo entender o poder que tem o “Chaveco” (seria com xis?) sobre as “presidentas” (não entendo, também, a necessidade de se focar no feminino com tanta insistência) dos dois países e, também, sobre os indecisos dirigentes uruguaios.
    No que nos diz respeito mais direto, quem não dá conta do próprio quintal, não deveria trepar no muro para opinar na casa do vizinho, ainda mais para apoiar o “bispo-papão”, que foi destituído dentro das leis vigentes em seu próprio país.

  5. Helio Hertt Grande Diz:

    É isso Gen Bonat:
    Nossa atualidade parece apenas confirmar a frase atribuída ao filósofo Joseph de Maistre: “Cada povo tem o governo que merece”. Mas, é preciso matutar um bocado para entender qual a razão de termos que suportar tantas cavalgaduras fantasiadas de estadistas… E neste episódio do Paraguai o medo é a possibilidade da repetição de processos similares em seus respectivos redutos teimosamente rotulados como democráticos. O ideal desejado é o do mensalão lulista que se arrasta há tanto tempo sem qualquer consequência corretiva e moralizadora…
    Mais uma vez parabéns e um abraço. Helio.

  6. J. Koffler Diz:

    Caro Bonat: Primeiro que tudo, minhas congratulações pelo lúcido e esclarecedor artigo.
    O caso em tela, sem dúvida, expõe às claras o conluio encabeçado pela petulante presidente argentina, incentivada pelo truculento e ignaro Chávez e chancelada pela nossa cúpula diplomática e executiva, curvando-se a tão deprimente submissão.
    Enquanto isso, Paraguai acorda, de repente, isolado do pretenso e falso MERCOSUL, que, comprovadamente, é um dos mais grosseiros engodos de que já se teve notícia no sub-continente.
    Quando digo “conluio”, refiro-me a esse grupo de astutos indivíduos que tomaram o poder pelas graças de povos submissos e manipulados através de políticas baratas, travestidas de “estratégias sociais”. Só uma sociedade subserviente se prestaria a tais desígnios, destruindo relações conquistadas com muito esforço, historicamente falando.
    Kirchner, Lula/Dilma, Chávez e Lugo são figuras mais que “manjadas” em suas pretensas “políticas públicas”, enquanto enchem suas burras de benesses, poder e tranquilidade financeira para si e seus apaniguados.
    Em suma, meu caro Bonat, vivemos a era das infâmias em nossa castigada América do Sul, com raríssimas exceções de nações (como a Colômbia, o Chile – parcialmente, agora – e um par de outras) que resistem ao jugo decrépito da insana ânsia comunista, agora também assumida pelo presidente do Uruguai – outro ex-guerrilheiro de épocas passadas, que nada tem a contribuir para esse paradisíaco país do Cone Sul.
    Afortunamente, meu tempo de vida terreno me isentará do amargo e nauseante futuro que está a se desenhar para estas nações.
    Forte abraço.
    J.Koffler

  7. Alexandre Diz:

    Espetacular, esclarecedor, permita-me compartilhar com toda minha rede esse artigo.

    Abraços,
    Alexandre

  8. Ênio José Toniolo Diz:

    Sua análise é irrefutável.
    Alguns sustentam que Lugo não teve tempo para preparar
    a defesa. Como se as trapalhadas dele não tivessem começado
    há muito tempo! Quem tem a caneta, o Diário Oficial, a chave
    do cofre e uma legião de assessores, está preparado sempre.
    Imaginemos que o Lula seja chamado no processo do Mensalão.
    Claro que já deve ter há anos as testemunhas, os celulares, os xerox autenticados, os advogados pagos…
    Um abraço, amigo!
    Prof. Ênio José Toniolo (aposentado da UNESP)

  9. PITA BRAGA CÔRTES Diz:

    O Paraguay, fraco como é, mais uma vez é vítima de Alianças Imperialistas. Sem porto marítimo, sem dinheiro, tem no seu currículo o genocídio (até certo ponto recente) da guerra da tríplice aliança. 300.000 mortos. Agora vê o Mercosul interrompendo diálogos, formando uma quadrupla, quintupla aliança, para tirar-lhe o direito democrático do impeachment. Covardia de seus vizinhos todos, que em vez de ajudar sua restruturação secular, passam a Ditar. Sempre disse que o desenvolvimento dos países das nossas fronteiras são “Contagiosos”, fazem bem para nós brasileiros. Isto está sendo um Boicote a Democracia paraguaia. Mais uma vez. O Paraguai era proibido de circular seus navios pelo Prata, agora parece será proibido de participar do Mercosul.

  10. Augusto Diz:

    Estão sapateando sobre a história e a honra de grandes personalidades que ajudaram a construir a nacionalidade desses países. Quão bom seria se pudéssemos ver os rios de dinheiro gasto em benefício de poucos(no Brasil, cerca de 130 milhões/mês só pra manter o Legislativo)aplicados na educação. Um povo educado, bem instuído,tem melhor alimentação,consequentemente melhor saúde, melhor higiene, etc. Porque não reduzir o Legislativo federal pra um senador e sete deputados por Estado, reduzindo-se, na mesma proporção, nos Estados e Minicípios? Aí sobrariam em torno de setenta melhões para a educação. Em 15 ou 20 anos, o Brasil seria a primeira economia do mundo. Parabéns, Bonat e grande abraço.

  11. Ivo Diz:

    Caro Hamilton,
    Leio sua crônica e ao mesmo tempo lembro de matéria publicada na Veja desta semana que aponta as relações promíscuas entre o governo do PT com o Cel Chaves espinadas pelos aloprados do Collor….É uma pena que estes fatos ocorram quando nosso Congresso está limitado a discutir uma CPI, onde a força do governo se apresenta para calar o investigado, não como direito seu, mas para evitar que fale e derrube inúmeros dogmas….

  12. Salgueiro Diz:

    Bonat

    Parabéns pelo artigo.
    Preciso e esclarecedor.
    Vamos aguardar as consequências das decisões tomadas.
    Abs
    Salgueiro

  13. Betty Diz:

    Muito boa a forma esclarecedora com que trata o assunto.
    Parabéns e abraços

  14. Paulo Carvalho Diz:

    Caro Bonat,
    sua síntese do ocorrido com o Paraguai é fenomenal.
    Parece-me que o Presidente do Uruguai,segundo algumas mídias, está querendo rever a entrada da Venezuela no Mercosul. Já pensou o que poderá ocorrer com o bloco? seria uma pá de cal nos “afoitos”.
    Abraços.
    Paulo Carvalho

  15. Afonso Pires Faria Diz:

    Somente posso lhe dar os parabéns pelo artigo. Irretocável. É a turma do Foro de São Paulo, agindo livremente.
    Afonso

  16. bonat Diz:

    Caro Bonat: Parabéns!!!! Sensacional!!! Será publicada neste mês de julho. Abs, Miguez

  17. bonat Diz:

    Caro amigo Gen Bonat.
    Excelente crônica, parabéns. Acho que o tal bispo nem deveria ter assumido como presidente haja vista seu nebuloso passado, portanto, até destituíram-no tarde demais. Vamos torcer para que o nosso vizinho se dê bem e, não afugente nossos brasiguaios. Ah, vamos ver se na próxima sexta-feira a Folha de Caxias publica seu artigo. Abraço do Zartão.

  18. bonat Diz:

    Hamilton
    Parabéns por mais esta crônica muito bem centrada sobre a Crise Paraguaia. Está na rede pelo meu Blog e contas de twitter, que devo retuitar nos próximos dias. Por falar em twitter, o senhor tem uma conta?

  19. GD Diz:

    Super Bonat: EMTS? Ohhhh…

  20. PChagas Diz:

    Caro Hamiltom, como sempre, preciso, oportuno e completo!
    Bela pesquisa. Tenho um amigo que trabalhava até há pouco em Foz do Iguaçu e que me relatou testemunho muito semelhante ao do leitor copiado no primeiro parágrafo.
    O Paraguai está dando um exemplo muito importante para todos nós, vítimas do Foro de São Paulo.
    Parabéns!

  21. Cel Chagas Diz:

    Prezado General

    Com satisfação, recebi um e-mail do amigo Balbi contendo seu excelente artigo sobre a situação do Paraguai.
    Dou uma passada somente para cumprimentá-lo.
    Um fraterno abraço.

    Chagas

  22. Nina Mª Marach Carpentieri Diz:

    Parabéns, Hamilton por mais este belo artigo. Acertou no âmago da questão, como sempre.
    Abração á todos.

  23. Adelmo Sarturi Diz:

    Prezado Chefe Bonat.
    Muita satisfação em poder compartilhar de seu artigo. Muito elucidativo e claro.No final das contas o Paraguai está mostrando ao mundo e às lideranças míopes da América do Sul o seu respeito e seu valor… E o nosso Governo sempre dando o fora com palpites e apoio a ditadores como Chaves, Fidel, Armadenijahhhh (sei lá como se escreve) e outros mais….
    Fraterno Abraço
    Sarturi

  24. Edmar Diz:

    Concordo que o Lugo é uma pessoal imoral e não digna do cargo que ocupava, mas os motivos que o levaram ao afastamento são inconsistentes (isso ninguém pode negar). Na República, o cargo é eletivo e temporário para possibilitar renegar um mau governante numa possível reeleição. Se queriam afastá-lo do cargo porque não provaram que ele teve e tinha uma conduta sexual indigna com o cargo que ocupava tanto antes da posse como no exercício do poder (isso resgataria a credibilidade na Democracia). Que o Paraguai está bem melhor sem o Lugo não há dúvidas, mas que houve um “Golpe do Legislativo” não podemos negar (assoberbado pelo Judiciário). De qualquer forma o princípio da autodertminação das nações devem nortear a conduta do Brasil com relação ao episódio (não devemos nos equivocar como o fizemos em Honduras). Outro detalhe importante é com relação ao contrabando via Paraguai, a incompetência do PT impediu de adotarmos medidas mais contundentes para restringir essa prática (o Lugo poderia ter sido nosso parceiro nessa empreitada).

  25. bonat Diz:

    Prezado Amigo Gen Bonat.
    Parabéns por mais uma bela página de lúcida crítica.
    Penso que – golpe – foi o que os nossos itamaratecas armaram contra o povo paraguaio, suspendo o país do Mercosul e adotando a Venezuela, sem o voto (legítimo e obrigatório) do Paraguai, já que ele ainda é membro, apesar de suspenso. Que vergonha para o Brasil……
    O fato é que: se os governos pseudodemocráticos da América Latina não reagissem, o caso Lugo poderia se tornar um exemplo para toda a América Latina, contra a súcia que impera na região, incluve entre nós – os brazucas.
    Mas olha que bela oportunidade tem o Paraguai de se aliar definitivamente a outros eixos econônicos, inclusive os EUA, e deixar todo mundo “chupando dedo”.
    Seria uma pena, mas uma boa alternativa de curto prazo.
    Abraços
    Fran

  26. pedro herrerias neto Diz:

    parabens bonat, masi uma vez demostra de uma forma simples o entruncado mundo politico que o brasil se encontra um abraço

  27. diva malucelli Diz:

    Caro amigo, eu não conhecia os meandros da política paraguaia, uma vez que na imprensa aqui, só havia ouvido falar dos “filhos”…mas, particularmente, não acho certa a inclusão da Venezuela no MercoSUL…Muito boa sua crônica, é de quem sabe o que fala…abraços,Diva

  28. Luiz Carlos Soluchinsky Diz:

    Apesar do meu pouco conhecimento nesta área de política internacional, pelo menos pelos noticiários acompanhei e agora com a sua crônica fiquei mais por dentro do assunto. Essa historia de cassar presidente poderia muito bem entrar na moda. Um abraço. Solu

  29. Mário Ivan Diz:

    Prezado Bonat,
    Como sempre, sua análise está muito objetiva, clara, precisa e concisa. Meus cumprimentos.
    É uma pena que, nos últimos tempos, nossa diplomacia, tão duramente construída, venha decaindo tanto. Todos falam muito no Barão do Rio Branco, o grande patrono do Itamarati, mas na verdade nossa tradição vem de muito mais longe, desde os tempos em que o poderoso Felipe II tentava sufocar o pequeno Portugal. A política externa de D. Pedro II, muitas vezes conduzida por ele próprio, é uma autêntica aula de diplomacia.
    É… Há muita gente que precisava ler mais. Já disseram até que nossa História não possui heróis… Agora estamos na iminência de perder um excelente trabalho de mais de cem anos…
    Abrs. Mário Ivan
    ==================================

  30. roselene ferreira Diz:

    ESTÁ MARAVILHOSA TUA COLOCAÇÃO,PERFEITA.
    PARABÉNS!!!!
    BJ DA ROSELENE

  31. Albérico Diz:

    Excerlente como sempre!

  32. ALFREDO Diz:

    Meu Caro General
    Muito boa sua leitura dos acontecimentos em nosso país vizinho, e que Deus os iluminem para que continuem nossos amigos, apesar das atitudes desse momento de nossa vida política apontarem para outro lado, a esquerda não aceita sair do poder, e se sente ameaçada sempre que a democracia é posta em vigor, é tudo que eles não querem.Obrigado pelo envio.
    Um Grande Abraço
    Alfredo 06.07.2012

  33. Aurívio Souza Diz:

    Excelência ,

    Mais uma vez , parabéns pelas irretocáveis palavras!, as quais demonstram claramente o corporativismo ideológico e demagogo destes que se dizem representantes da população brasileira ; ah ! pobre, iludido e manipulado povo brasileiro.

    1o Ten Temp. Inf. Souza

  34. brugalli Diz:

    Pincei de IVES GRANDA DA SILVA, professor emérito da Mckenzie e da EsCEME, o intróito de uma opinião dele enviada à folha de São Paulo. Reproduzo. ” Democracia paraguaia. O processo paraguaio foi digno das grandes democacias. Mas Dilma se curva aos aspirantes a ditadores vizinhos, como o lider da Vevezuela e a da Argentina”.
    Parece-me tratar-se de análise isenta e que puxa a orelha dos petralhas e aloprados do Itamaraty para baixo e para cima. Sua crônica é lúcida e irretocável. Parabéns.
    Brugalli.

  35. bonat Diz:

    Prezado General Hamilton Bonat.
    Acabei de ler sua crônica, relacionada com o povo paraguaio e fiquei deveras encantada!!!
    o Sr. nasceu para ser um grande escritor!!! Nasceu com o dom de escrever!!!
    Acho que também nascí com o dom de escrever, porque eu o fazia desde criança. Mas com uma única diferença…Sou uma humilde escritora, digamos, uma amadora!!!
    Tenho muito que aprender, apesar de toda minha vivência e muito que lapidar, na minha literatura. Mas acho que é válido batalhar para melhorar e encontrar o nosso espaço, neste mundo maravilhoso e bondoso ao qual pertencemos.
    Desculpe meu prolongamento na resposta, mas é meu modo de ser.
    Grande abraço e obrigada pelo envio do email…ROSENI.

  36. Odracir Mello Salazar Diz:

    Prezado amigo Bonat,
    Compromissos diversos de viagens têm me mantido afastado da leitura de suas últimas crônicas. Somente ôntem me permiti ler as três mais recentes enviadas pelo amigo. Diante de tantos comentários inteligentes feitos por seus assíduos leitores, a este velho guerreiro só resta tecer elogios, mais uma vez, à essa cabeça privilegiada que Deus lhe concedeu. Realmente é muito prazeroso ler os seus escritos, cujos temas, a maioria atuais (Paraguai, Rio+vinte….), outros pitorescos (o dentisto e a sogra), são abordados com muita propriedade e sutileza.
    Obrigado, mais uma vez, por me incluir no rol dos remetentes de suas crônicas.
    Receba o meu fraterno abraço.
    Salazar.

  37. Abreu de Moraes Diz:

    Caro Bonat

    Excelente. Que o nosso escritor castrense continue iluminado.

    Grande abraço. Abreu de Moraes

  38. Mario Gardano Diz:

    Você sempre acerta o alvo, atirador exímio li o artigo na Tribuna, e fico mais satisfeito quando é publicado lá, pois mais pessoas terão acesso as tua análises,sempre coerente e convicto das tuas idéias,mais uma vez parabéns.
    abraços
    Mario Gardano

  39. GABRIEL CRUZ PIRES RIBEIRO Diz:

    Bonat,
    Gosto muito de ler suas crônicas, pela oportunidade em que são postadas, clareza e perfeição. Também leio os comentários e, desta vez, tenho que destacar o do Sr. Carlos Gama: “… no que nos diz respeito mais direto, quem não dá conta do próprio quintal, não deveria trepar no muro para opinar na casa do vizinho…”.
    O atual governo deveria seguir a risca este ditado e não se intrometer em assuntos internos de outros países, até mesmo para seguir nossa tradicional política de relações externas, que parece ter sido abandonada.
    Abs. Gabriel (029)

  40. Joaquim Rocha Diz:

    Prezado amigo Bonat
    Golpe ou não, do legislativo paraguaio, fizeram o que tinham que fazer há mais tempo. Alias, atitude assim, deve deixar os governos vizinhos de cabelos arrepiados, menos aqui, onde não há oposição, e o povo é submisso, lerdo e taciturno.
    Forte abraço
    Joaquim Rocha

Deixe um Comentário