A dentista e a sogra

Nico era gente boa. Só não gostava do apelido, que lhe deram por causa da baixa estatura. Nico é corruptela de nanico, oriundo do latino nanu e do grego nanos, que significavam “um bilionésimo de alguma coisa”.

Essa explicação, talvez desnecessária, é para dizer que Nico, apesar de ser quase um anão, possuía um coração enorme. Tanto é que concordara com a mulher Isaura, um pouco maior do que ele, mas não só por isso, que a sogra viesse morar em sua casa.

Os amigos zoavam: “Morar com a sogra, Nico! Quando você morrer, vai direto pro céu, com tripa e tudo”. Ele não se importava. Só não admitia o “Nico”.

A sogra, que de boba nada tinha, não o chamava pelo apelido. Era Lindolfo pra lá, Lindolfo pra cá. Dona Emengarda, este o seu nome, segundo Lindolfo (também não quero desgostá-lo), gozava de uma vitalidade enervante. Mesmo assim, tinha um bom plano de saúde. A única coisa que lhe afligia eram os dentes. Mas esse problema, para desespero de Lindolfo, o plano não cobria.

Todo sábado ele tinha que levá-la ao dentista. Os dentes eram de Emengarda, mas quem bancava era Lindolfo. Para vingar-se, ele resolveu enervá-la. Passou a chamar o dentista de dentisto.

Dona Emengarda, que ensinara português e literatura a vida inteira, virava uma fera. “Dentisto não existe. É substantivo comum de dois, ou seja, da mesma forma que presidente, serve para os dois sexos: o dentista, a dentista. Não varia. Qualquer criança sabe disso!”

“Ora, sogrinha, quem manda em casa sou eu. Se digo que é dentisto, é dentisto, pois é um homem. Suas teorias não me interessam. Além do mais, gosto de ser politicamente correto. Pois, se ainda não sabe, uma lei recente sepultou o seu português arcaico. Parece que a senhora não se deu conta de que Camões, Machado de Assis, Euclides da Cunha, Raquel de Queiroz e outros imortais estão todos mortos. E os atuais, um dia morrerão. Aí, ninguém chamará de dentista a alguém do sexo masculino. Lei tem que ser cumprida. E, na minha casa, a lei sou eu!”

Dona Emengarda, aborrecida, embora tivesse razão, calava. Como a experiência lhe ensinara, manda quem pode, obedece quem tem juízo. Mesmo assim, resolveu dar o troco. Ligou para o dentista com quem se tratava e dispensou-o. Diga-se de passagem, ele cobrava R$100,00 a consulta. Em seguida, agendou com uma dentista famosa.

No sábado seguinte, pediu ao genro que a levasse até outro consultório, pois decidira trocar de odontologista. Nico estranhou. “Novo dentisto?” “Não. Para encerrar nossa discussão, vamos a uma dentista mulher.”

Nico sorriu um sorriso de vitória. Terminada a consulta, preencheu o costumeiro cheque de R$100,00. “Desculpe, senhor Lindolfo. É um pouco mais. Aqui, cada sessão custa R$400,00.”

Assim que saíram, Lindolfo, sentindo-se um “nano”, virou-se para a sogra: “A partir de hoje, não quero saber dessa dentista. Voltaremos ao seu antigo dentista. Afinal de contas, quem manda (e paga as contas) sou eu!”

O sorriso de vitória acabara de passar para os lábios ainda anestesiados de Emengarda…

29 Respostas para “A dentista e a sogra”

  1. Laura Vaz Diz:

    Caro general:
    Muito, muito boa a sua crônica! Deveria constar dos livros didáticos como uma forma engraçada de se ensinar os substantivos comums de dois gêneros. Talvez os alunos entendessem que o mesmo ocorre com a palavra “presidente”.
    Um abraço.
    Laura

  2. Medeiros Dias Diz:

    Melhor do que você, só o Joelmir Beting. Gostei e só lamento que de suas cronicas não decorra mais um Livro. Abs

  3. Joaquim Rocha Diz:

    Prezado amigo Bonat
    Os imortais citados acima, sentem-se ofendidos pelo “portuguez” usado atualmente, alterado, de acordo com a cultura inculta dos dirigentes que “graçam”(grassam) por aí, mais preocupados com o enriquecimento pessoal, do que com o bem comum, que é o objetivo dos órgãos que dirigem.
    Desde guri, aprendi no ginásio de Alegrete, quem eram os Presidentes Brasileiros, as Presidentes de Conselhos, os tenentes, as tenentes, etc. Agora o Governo está fazendo uma verdadeira reforma ortográfica, ao arrepio da Lei.

  4. ALFREDO Diz:

    Meu Caro General
    Muito bem comparado, ótima sua crônica, suas palavras estão muito presentes neste momento, onde vemos uma aberração ao nosso idioma imposto pela mais alta autoridade, onde os puxa sacos se abaixam e obedecem, é um absurdo lermos e ouvirmos diariamente esta agressão ao nosso idioma, mas seu antecessor e padrinho também tinha uma criatividade ímpar para cometer erros crassos.Ela se elegeu não com o meu voto.
    Obrigado pelo envio
    Um Grande Abraço
    Alfredo 10.5.2012

  5. Gustavo Rocha da Silva Diz:

    Prezado General Bonat:

    Parabéns! A crônica é deliciosa no seu humor e muito aguda na percepção de que “Camões, Machado de Assis, Euclides da Cunha, Rachel de Queiroz e outros imortais estão todos mortos”, tanto assim que Caetano Veloso, Chico Buarque e Paulo Coelho são estudados como “literatura brasileira”.

    Grande abraço.
    Gustavo (que na juventude foi anarquisto, depois trotsquisto e hoje é quase monarquisto)

  6. Edmar Diz:

    O tratamento da nossa “mandatária” tem causado polêmica, até a Marta Suplecy num tradicional desconhecimento da nossa gramática (como tantos) exigiu numa sessão do Senado que ela fosse tratada como presidenta. O que leva a essa situação é o desprestígio ao ensino do português, nota-se até nas provas de vestibular a pouca exigência do conhecimento gramatical. A causa disso ainda é a insistência dos “gramáticos” em evitar o uso da didática no enino das regras que regem a nossa língua.

  7. Amaury Diz:

    É gratificante saber que temos irmãoas de farda que além de competentes procuram externar suas ideias, conhecimentos e expandir a cultura literária

  8. bonat Diz:

    Prezado amigo Gen Bonat. Gostei muito da bem-humorada crônica. Coitada da sogra, mas, nessa acho que levou a melhor ! Abraços do Zartão.

  9. katia e Ricardo Diz:

    Você como sempre faz uma crônica se tornar uma ironia com todo respeito.Parabéns,ótima pra começar o dia com boas risadas…..e ainda dá uma aula de gramática…..rsrs.Abraços.katia.

  10. Juan Koffler Diz:

    Caro amigo Bonat,
    Muito espirituoso e assaz criativo seu artigo, como já lhe é usual. Lamentavelmente, alcança apenas uma ínfima parcela da sociedade, justamente aquela que possui neurônios ativos e pode compreender o seu recado. As massas, como sempre, continuarão alienadas e alheadas, fazendo crescer os índices de “popularidade” dessa, até pouco tempo atrás, nada ilustre desconhecida, a atual “presidenta”, a quem lhe coube a desdita de, quando braço direito do Lula, cometer crime de falsidade ideológica ao fraudar seu currículo e afirmar que possuía o título de “mestra”. Só isso já denota, escancaradamente, sua falta de lisura, de ética e de moral.
    A propósito do seu artigo, há duas semanas publiquei um da minha lavra nesse mesmo sentido, no Jornal de Santa Catarina. O reproduzo abaixo como chancela ao seu.
    Forte abraço!
    Juan
    ***
    ESTUPRARAM O PORTUGUÊS

    Sabemos bem que nosso rico idioma não é nada fácil em seus meandros sintáticos e em suas construções gramaticais. A facilidade para essa complexidade reside na libertinagem de certas autoridades em, a seu bel-prazer, alterar suas regras consoante o humor com que acordam.
    Assim e por um desses arroubos grosseiros e inqualificáveis, “torneira-mecânica” passou a ser uma expressão dúbia: seria uma torneira de funcionamento mecânico ou uma profissional em tornearia mecânica? A famigerada Lei n. 12.605/2012 propiciou esse aborto gramatical, com a imposição grotesca da flexão de gênero, idéia “luminosa” da nossa “presidenta”.
    A “gerenta federal”, em suas elucubrações “a la Lula”, decidiu (e o Congresso chancelou, submisso, hipócrita e burro) que, doravante, seja obrigatório denominar profissões e graus de diplomas, a exemplo de algumas excrescências como: “pilota” de aeronave, “presidenta” de organização, “artisto” e “artista”, e por aí vai. Certamente, pode afirmar-se que esse será um dos “grandes feitos” que marcarão a passagem da nossa “presidenta” na galeria dos mandatários supremos da nação.
    E, muito em breve – seguindo o exemplo do ocorrido com seu mentor e ex-presidente –, a “presidenta” estará proferindo palestras e seminários mundo afora, conquistando títulos de “doutora honoris causa” (como já ocorreu recentemente em sua visita à Índia), cobrando US$ 300 mil por evento e resolvendo sua vida e a dos seus familiares, enquanto nosso país continua a conviver com infraestrutura paupérrima em saúde, educação, malha rodoviária, aeroportos, portos, hidrovias, segurança etc.
    Mas como a copa e as olimpíadas estão aí, as massas ignaras já se deleitam, por antecipação, dos atrativos do “circo romano pós-moderno”, enquanto o mundo pega fogo (como Nero fez com Roma) em razão das iniquidades dos nossos governantes(as) e políticos(as) e seu desprezo ostensivo pela pátria. Triste sina a nossa…

    Prof. Dr. Juan I. Koffler Anazco
    RG: 4.607.207-1
    Cientista Jurídico-Social
    Blumenau / Balneário Piçarras – SC
    (47) 9969-4811

  11. DURVAL SANTOS Diz:

    Meu Caro General Bonat Bom Dia

    Parabens pela sutileza que lhe é peculiar.Porem, todavia,não obstante, a Lei 12605/12 trouxe problemas de alta complexidade para os seus irmãos de farda, senão vejamos : Generala , Coronela, tenenta Coronela, Sargenta, Soldada, afora as Brigadeiras, as Almirantas, As Contra Almirantas (as a favor ) etc etc etc .
    Quanto a Sogra ” um sujeito disse ao outro: minha sogra é um anjo, o outro respondeu a minha não morreu ainda. abcs durval santos

  12. bonat Diz:

    Caro amigo Gen. Bonat e Norma….
    Novamente…bela crônica!!!parabéns….
    E mais,…estudando para a Prova da OAB, encontrei no site uma jovem inteligente e bela professora chamada DEBORA BONAT.
    Será que é aquela pequenina menina que conheci em Caxias do Sul, tão amada por seus pais e irmãos!!!
    Se não for ela, deve ser alguém muito próximo!!!
    Na dúvida…..parabéns, ela é brilhante….” a fruta não cai longe do pé, como dizem os gaúchos “!!!
    abração…. Jane

  13. Carlos Nascimento Diz:

    Caro Gal. Bonat,

    Crônica muito interessante e bem humorada. O que eu não consigo entender é como nossos “congressistos” puderam permitir que uma excrescência linguística dessa pudesse se transformar em lei.
    Abraços
    Carlos Nascimento

  14. Mário Rossi Corsetti Diz:

    Boa tarde, Gen Bonat !
    Como habitual são seus comentários, quero dizer que discordo de sua colocação, tendo em vista que, para qualquer tomada de decisão, vai consultar o “metalúrgico”. Ou pedir sua anuência.O correto seria, creio eu, tratar por “o presidenta”

  15. brugalli Diz:

    Caro amigo. Concordo com tudo o que já disseram aí, comentando sua crônica. Porém, sempre tem um porém na vida da gente, nem o amigo e nem os comentaristas se deram conta de uma coisa bem brasileira. Eleita para a presidência, foi a um terreiro “consultar os búzios”. Informada de que ela seria a presidente, rangeu os dentes e, como Luis XIV reencarnado, decretou:”L’Etat c’est moi”. Logo, se os ossos de Rui Barbosa também rangeram (de raiva), o que fazer? Vou agora mesmo ao meu detisto já que o meu economisto fez as contas e posso pagar. Um abraço.
    Brugalli.

  16. Bruno Caron Diz:

    Excelente crônica, General.

    Saudações
    Bruno Caron

  17. Afonso Diz:

    É general, vamos seguir aturando esta “anta” ditando leis. Que. leu o clássico de Jorge Orwell, 1984, sabe muito bem aonde vamos chegar. Teremos que aturar torneira mecânica e outros impropérios ao vernáculo, até desistirmos da luta. Sic transit glória mundi.
    Afonso

  18. GABRIEL CRUZ PIRES RIBEIRO Diz:

    Bonat,
    Excelente esta crônica para mostrar o quanto é importante para “ela” ser chamada de Presidenta e não Presidente.
    O absurdo é isso ter sido aprovado e virado lei, mas tenho esperanças que será mais uma que não vai “pegar”, mesmo reconhecendo que “manda quem pode, obedece quem precisa”.
    Abs.
    Gabriel

  19. NUNES Diz:

    Caro General Bonat:

    Excelente crônica, comandante! Toda a vez que ouço ou leio o insistente rótulo, por que não passa disso, “presidenta”, me chateia muito, por que a minha graduação superior é de contabilista e, então, se assim fosse, eu deveria me intitular CONTABILISTO. Que barbaridade! Não soaria bem, de jeito nenhum. Mas, General, vejo que o Senhor tem estilo para contador de causos.
    Um abraço de artilheiro.
    NUNES – CX DO SUL/RS

  20. Zatti Diz:

    Meu caro Bonat,
    Supimpa seu conto crônica humorista causticoide (ou seria causticoida?)!… hehehe… Continue assim, General, afinal “oque dá pra rir da prachorar”.
    Cinchado quebra-costelas de duas voltas e meia
    Zatti

  21. roselene ferreira Diz:

    OI BONAT
    ACHO QUE SÓ OS PUXA-SACOS USAM ESTE TRATAMENTO. ME PARECE QUE A IMPRENSA SE MANTÉM LÚCIDA,NÃO É ASSIM?
    NA ABERTURA DA FESTA DA UVA ESTIVE PRESENTE E TODOS OS POLÍTICOS PRESENTES A TRATARAM DE PRESIDENTA QUANDO SE MANIFESTARAM ,MAS O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA, NA SUA FALA , TRATOU-A DE EXMA SRA. PRESIDENTE ,E , FOI O ÚLTIMO A FALAR. NO MEU PEQUENO ENTENDER,DEU UM TAPA DE LUVA EM TODOS OS DEMAIS…..
    SE ELA FOR ESQUECIDA, O POVO TAMBÉM VAI ESQUECER (ESPERO….)
    BJ
    DA
    ROSELENE

  22. bonat Diz:

    Rio de Janeiro, RJ, 10 Maio 11
    Brilhante, Bonat!
    Parabéns, mesmo, gostei muito.
    Um abraço amigo,
    Gen Castro

  23. bonat Diz:

    Obrigada, Gen. Castro, pelo envio da crônica. Muito boa. O Gen. Bonat mostra-se um bem-humorado crítico.
    Aileda

  24. Luiz Carlos Soluchinsky Diz:

    Obrigado pelo envio da Crônica. Interessante a correspondência da “parábola” com a idéia maluca de querer ser tão feminina, à ponto de inventar um português diferente. Querer ser ou se mostrar feminina (já ouvi comentários contrários, será?)Parabéns pela crônica do dentisto da Dona Emengarda. Um abraço

  25. Betty Diz:

    Adorei. Muito engrçada! E se a dona Dilma souber?Será que abre mão do famigerado”presidenta”
    Abraços

  26. Mario Gardano Diz:

    Bonat, parabens, tua espirituosidade extrapolou.
    abraços
    Mario

  27. Reges F. M. da Cunha Diz:

    Prezado Gen. e Escritor Hamilton!

    Apesar da demora em ler sua crônica, mais uma vez fico feliz por saber que temos pessoa – BRASILEIRA – da “gema”
    para cuidar de nosso Português.
    Sua crônica atual e moderna veio em exelente hora. Nossa Presidente acaba, por decreto ou Publicação no Diário Oficial, de exigir ser chamada de “Presidenta”…pode ????
    Abraços
    Estamos Atento…
    Réges F. M. da Cunha
    Blumenau – SC

  28. LCBarboza Diz:

    Boa Comandante

    Um forte abraço

    LCBarboza

  29. bonat Diz:

    Prezado Bonat,
    Deixei acumular algumas crônicas, para lê-las mais tarde.
    Hoje delicie-me com o “Dentisto da Sogra”. Muito boa.
    Forte abraço.
    Omar

Deixe um Comentário