Brasília, um exemplo para o País

Nos anos 1950, o Brasil encontrava-se diante de um desafio. Sair do mundo rural e atrasado em que vivia, para entrar de vez na era industrial. Brasília simbolizaria essa passagem.

Bem antes, em meados do século XVIII, a necessidade de interiorizar a capital havia sido sugerida pelo Marquês de Pombal. A ideia foi retomada pelos inconfidentes e reforçada logo após a chegada da corte portuguesa ao Rio de Janeiro, em 1808.

Em 1822, José Bonifácio já tinha um projeto de Brasil. Abolicionista convicto, defendia a transformação dos escravos em “cidadãos ativos e virtuosos”, e uma reforma agrária que substituísse o latifúndio improdutivo pela pequena propriedade. Propunha uma educação primária e gratuita para todos. Pregava pela transferência da sede do governo do Rio de Janeiro para uma cidade a ser construída nas cabeceiras do rio São Francisco.

Mais tarde, em 1883, na cidade italiana de Turim, o padre João Bosco teve um sonho profético: a capital do Brasil seria construída entre os paralelos 15 e 20.

Juscelino, astuto, perceberia que a hora havia chegado. Carismático, até hoje é aplaudido inclusive pelos cariocas, os grandes prejudicados por deixarem de ser o centro das decisões políticas.

Brasília teria que dar o exemplo ao Brasil. Assim imaginou Lúcio Costa ao traçar, numa folha de papel, dois eixos cruzando-se em ângulo reto, tal qual o próprio sinal da cruz, para, a partir dele, conceber o arrojado projeto que seria o escolhido para dar vida ao que muitos haviam sonhado. Em torno daquela imaginária cruz, se encontrariam diversas culturas atraídas para o Brasil Central. No máximo, quinhentas mil pessoas que, vindas de todos os cantos, seriam transformadas numa só alma.

Não há por que duvidar da honestidade do sonho de tantas pessoas. Mas, o que deu errado? Como Brasília chegou a uma perversa desigualdade social, sendo a quarta nesse critério entre todas as cidades brasileiras? Como explicar que, com tanta desigualdade, praticamente sem indústria e agricultura, representa hoje o segundo maior PIB per capita entre as capitais brasileiras? As respostas para essas questões, possivelmente, pessoas como Francenildo, o humilde e honesto caseiro, poderiam nos dar.

Na verdade, os sonhos começaram a ser desvirtuados assim que as obras iniciaram. Gastou-se muitíssimo mais do que o necessário. Talvez por isso, ao ser inaugurada em 1960, ela estava mais para avião do que para uma singela cruz. Os braços haviam se transformado em asas, balizando o setor residencial. O traço vertical passou a simbolizar o corpo de uma aeronave, cuja tripulação passou a sorver cada vez mais recursos da nação. Na Esplanada, já são poucos edifícios para tantos Ministérios. No Congresso, não cabem todos os senadores, deputados e assessores de todo tipo.

Com o tempo, em torno do belo avião que haviam construído, milhares de operários, denominados candangos, foram sendo amontoados nos diversos acampamentos das empreiteiras, dos quais Candangolândia e Novacap tornaram-se os mais famosos. Posteriormente, outros candangos chegaram com a esperança de receber algumas migalhas dos banquetes servidos a bordo. A população atingiu mais de 2,5 milhões, que, definitivamente, não formam uma só alma.

O mais intrigante é ter-se uma aeronave bonita, luxuosa, extremamente dispendiosa, mas que não decola. Como, segundo Lúcio Costa, Brasília deveria servir de espelho, ela não deixa o Brasil também decolar. Claro que não foi bem assim que ele sonhou.

24 Respostas para “Brasília, um exemplo para o País”

  1. Eliazar D Carvalho Diz:

    Fico a imaginar se o padre João Bosco em seu sonho proféti-
    co terá alcançado os acontecimentos atuais da capital do
    Brasil. Se o fez, certamente tratou-se de um pesadelo.

  2. Carlos Peron Diz:

    Gostaria de saber, antes de tudo, o que motivou a tantos querer mover a Capital do país. Nem bem estavam os brasileiros cientes de sua pátria e já haviam os sonhadores megalômanos. Acho que esse é com certeza um dos graves problemas a superarmos, essa tal de megalomania.

  3. bonat Diz:

    MARAVILHOSO.MAIS UMA VEZ VC ESTA DE PARABENS.JOSIANE E SERGIO

  4. Diva Malucelli Diz:

    Muito criativa e muita verdadeira…a analogia do formato de cruz original com um avião está excelente…Infelizmente , é o que restou , do sonho de Brasília…e do sonho de muitos cidadãos brasileiros…
    Ótima crônica…Abs.

  5. Juan Koffler Diz:

    Caro Bonat,
    Espero que haja recebido meu passe. Estou lendo o livro; muito interessante, instigante e com deliciosa malícia.
    Parabéns por mais este seu artigo. Igualmente excelente.
    Penso que a megalomania tomou conta das gerações políticas que vieram a ocupar Brasília a partir do seu marco zero. Mas, contrariamente ao que deveria ser a realidade, quanto maior imponência, menor capacidade de gestão e maior desinteresse pela República.
    Brasília, lamentavelmente, tornou-se a nossa “Bastilha”, só que maximizada em seu festerê e desonra social.
    Forte abraço!

  6. Gustavo Rocha da Silva Diz:

    Prezado General Bonat:

    Sua crônica, de uma ironia educada porém ferina, me fez lembrar um comentário de Clarice Lispector. Tendo ido a Brasília sabe-se lá porque, desembarcou, olhou para um lado e outro e resmungou baixinho: “Meu Deus! Isto é uma prisão a céu aberto!” Certíssima.

    Há quem diga que pagamos pela megalomania juscelinista até hoje …

  7. Ivo Diz:

    Brasilia é um sonho acalentado…lamentavelmente erguida por brasileiros que se envergonham do que lá acontece… que esquecem da sua própria contribuição para que cada dia fique pior ….a cada quatro anos aumentamos o número de apátridas …É Hamilton … ” o sonho é bonito mas o recheio está azedo de longa data ” …

  8. Helio Hertt Grande Diz:

    Dos pântanos nascem os lírios e os de Brasília estão sendo atualmente muito bem adubados… O problema é ter paciência para esperar que finalmente germinem. Mas, ainda tenho esperança no futuro, mesmo desconfiando que não será para a nossa geração. Um abraço! Helio.

  9. Brugalli Diz:

    O resumo histórico de Brasília está irretocável.Infelizmente lá não existem os “cidadãos ativos e virtuosos” com

  10. Brugalli Diz:

    O resumo histórico de Brasília está irretocável. Infelizmente o sonho de José Bonifácio de “cidadãos ativos e virtuosos” não se concretizou. A astúcia de Jucelino não livrou o Brasil de uma epidemia inflacionária que iniciou na construção da nova capital e que tantos malefícios causou à economia brasileira por longos e sofridos anos.O que sobram lá são palácios: Alvorada, Itamaraty, “et caterva” e o que faltam são castelos. Como recreví em crônica publicada em jornal local, há mais de 20 anos,pelo menos um castelo deveria existir… de preferência Branco.

  11. Paulo Cesar Diz:

    Como sempre com sua perspicácia cada vez mais atuante!
    Aproveito para agradece-los por todo o apoio que deram a Verônica e Alexandre aí em Curitiba. Voltaram encantados com tudo, mas destacaram as amabilidades que receberam de vocês.
    Fraterno abraço.

  12. Mauro Otavio Ferreira do Nascimento Diz:

    Estimado Hamilton Bonat;
    Como sempre só tenho a parabenizá-lo. Contudo, o que estraga não é a “Cidade Brasília” por si própria, mas sim os “HOMENS” que deixamos dominá-la! Abçs…MOFN.

  13. Luiz Salgueiro Diz:

    Parabéns Bonat !
    Brasília irretocavel.
    Acho que D Bosco tem que nos proteger bastante, pois a situação vivida pela NOVACAP, tão bem retratada por vc, vai piorar.
    Abs

  14. Betty Diz:

    Muito bonita esta crônica!Será que não decola por causa dos
    políticos que lá estão?
    Abraços

  15. jão Diz:

    Brasilia foi uma cidade magistralmente projetada por Lucio Costa, construida com a arte de Niemeyer e, a ogeriza que todos nós temos dela, é culpa dos políticos corruptos DE TODO O BRASIL que para lá NÓS enviamos para poluir.
    Enquanto a maioria do povo brasileiro não aprender a votar, veremos essa corrupção desenfreada, canalhas impunes, desordens, imcompetencia, “novos dicionários absurdos”, “novas tabuadas erradas”, bandalhas com o fruto do nosso trabalho, e, devido a isso, de que nós brasileiros temos com que nos orgulhar?

  16. Francisco Borges Maciel Diz:

    Caro Amigo Bonat
    Ao longo da História, vimos uma plêiade de pioneiros, cujas mentes vislumbraram formas de facilitar o desenvolvimento de atividades com as quais a Humanidade(ou setores) se ocuparia(m), conforme prognósticos de suas respectivas épocas. Entretanto, nem sempre suas boas intenções se con-
    cretizaram à risca.Aí estão o Prêmio Nobel e a morte fatídica de Santos Dumont.
    No Brasil, acreditamos piamente nos trabalhos de Lúcio Costa e Oscar Niemayer.
    Como de costume, você foi objetivo, abrangente, contundente,
    com uma crônica que primou por seu conteúdo deveras envolvente.
    Dizem que o mundo acabará no próximo ano. Estou com muitas
    esperanças de, quando ele vier a ser refeito, em seu novo
    layout, o Brasil seja colocado em território europeu. Todos sabemos que também lá a ética, a moral, a honestidade e a integridade são “arranhadas” pela classe política, vez por outra. Entretanto, é mínima a impunidade e o povo tem vergonha na cara; no caso de escandalos, os próprios implicados tomam iniciativas em caso de renúncia.Não há a necessidade de um “sapo barbudo” (lembra do Brizola?) ir à
    capital para capitanear a defesa do(s) criminoso(s).
    Abraços
    Maciel

  17. durval santos Diz:

    Parabens mais uma vez, meu Caro General Bonat. A cronica revelou-se como uma verdadeira aula de historia.Lamentavelmente esta Cidade moderna, apesar de seus já 50 anos , tem seu nome ligado a escandalos, negociatas e outras “maracutaias”, como diz o cantor da cerveja “deixa a vida me levar, vida levas eu ” abcs durval santos

  18. bonat Diz:

    Hamilton,
    Cada texto seu que leio e uma aula de historia. Como meu futuro teria sido diferente se eu tivesse tido um professor que contasse dessa maneira tao simples esses fatos do nosso Pais. Digo NOSSO, porque ate hoje nao conheci ninguem que mora tanto tempo fora e que ainda se arrepia lendo um texto como esse. Ou sera porque vc e o filho da Tia Cici, primo da minha saudosa mae? Sabe la…. Muito bom. Nunca me tire da sua lista.
    Quanto ao jogo, sinto muito, assisti e fiquei SECANDO o Vasco….
    Beijo em todos ai
    Saudades
    Fernanda

  19. Carlos Gama Diz:

    Sempre muito lúcido, meu caro amigo Bonat nos mostra com amplitude de conhecimento e clareza de visão, o verdadeiro e triste mapa moral do nosso país.
    Velhos sonhadores imaginavam uma capital no coração do Brasil, como caminho de melhor defesa da pátria, entretanto parece que é dali que partem quase todos os ataques contra a nação; os seus maiores inimigos estão aqui dentro mesmo.
    Entramos na era industrial através de uma porta lateral, que nos conduziu a uma distorção do princípio ou do fundamento evolutivo.
    Ali, por onde começaria a era industrial, prospera a indústria do crime organizado, a indústria da imoralidade, a indústria do cabotinismo legislativo e outras tantas subsidiárias que nem valeria a pena estar recordando, para não entristecer ainda mais as nossas almas.
    De todos os grandes sonhadores, passando pela visão generosa, patriota e sábia de José Bonifácio, Lúcio Costa talvez tenha sido o mais realista ou o mais intuitivo de todos e antevisto a cruz que nos seria legada.

  20. Medeiros Dias Diz:

    Gostei; espero que você o tenha no próximo livro.Para quem acompanhou, mesmo de longe esta construçao, é uma triteza ver Brasilia transformada na “Capital dos Corruptos”. Aliás, ninguem esquece as “viradas” dos caminhões de areia. Minhas congratulações pela cronica. Um abraço.

  21. Nina Diz:

    Uma verdadeira aula de história, como já disseram os que me antecederam.Lembro-me com detalhes as noticias sobre a construção de Brasilia… Jamais imaginei que fosse habitada por politicos de tão baixo nivel, eleitos pelo povo! Será que um dia vai mudar?
    Abração á tão queridos primos!

  22. Juliana Bonat Diz:

    Que texto informativo, com análises pertinentes! Deixo apenas uma pergunta: é Brasília que não deixa o Brasil decolar, ou são os representantes do Brasil, deputados e senadores, que não deixam o avião decolar?
    Parabéns pelo artigo!

  23. Dirceu Rigoni Diz:

    Caro Amigo Hamilton,

    É muito difícil comentar uma crônica perfeita como “Brasília, um exemplo para o País”, mas é muito fácil comparar com as frases “Pérolas de Oscar Niemayer”:

    -Projetar Brasília para os políticos que vocês colocaram lá foi como criar um lindo vaso de flores para vocês usarem como PINICO.

    -Brasília nunca deveria ter sido projetada em forma de avião. O de camburão seria mas adequado. Na verdade quem projetou Brasília foi Lúcio Costa. Eu fiz uns prédios e avisei que aquela merda não ia dar certo. Sim, ela é aquele avião que não decola NUNCA. Segundo a Nasa, Brasília é inconfundível vista do espaço.

    -DURO ADMITIR, MAS ATUALMENTE “MARCELA TEMER” É O MONUMENTO MAIS COMENTADO DE BRASÍLIA.

    Um Forte Abraço,

    Zé Dirceu.

  24. Laura Vaz Diz:

    Caro General,

    Faço minhas as palavras de Helio Hertt Grande.Tal como ele, desejo muito ver lirios surgindo daquele pântano. Por enquanto, paciência e esperança ainda não me abandonaram.

    Um grande abraço

    Laura

Deixe um Comentário