Truque velho

Quando a flotilha dita humanitária partiu de Istambul, estavam presentes inúmeros representantes do Hamas, entre eles Mahmad Tzoalha e Sahar Albirawi, terroristas de primeira linha, operando hoje na Inglaterra. Creio que não foram ao porto apenas para desejar boa viagem. Logo, é desnecessário ter bola de cristal para saber que os navios que se dirigiam à Faixa de Gaza nada tinham de pacifistas. O truque é tão velho quanto o Cavalo de Troia. Os alemães que defendiam Monte Castelo também o aplicaram, usando suas ambulâncias, protegidas por rigorosas convenções internacionais, a fim de levar munição para a sua artilharia, que depois era despejada mortalmente sobre nossos pracinhas.

Claro que o governo israelense às vezes age de tal forma que nem os americanos, seus tradicionais aliados, parecem mais aguentar. Entretanto, não se pode deixar de entender suas preocupações com as comunidades civis sobre as quais, diariamente, o Hamas continua lançando foguetes. Recorde-se que em 1967 a Síria fazia o mesmo a partir de Golan, enquanto o Egito de Nasser se armava com formidáveis blindados, que acabariam dizimados na Guerra dos Seis Dias.

Sob a atual e terrível ameaça de ser varrido do mapa, o que significa seu extermínio, o Estado de Israel enfrenta o dilema de tentar estancar a entrada de armas na Faixa de Gaza. Mas, como em 1967, os foguetes do Hamas pouco representam quando comparados ao novo holocausto que se anuncia no Irã. Nem sempre se pode confiar nas palavras de Mahamoud Ahmadinejad, mas sua manifesta intenção de varrer Israel do mapa deve ser levada a sério. De suas declarações, conclui-se que seu programa nuclear, como um Cavalo de Troia, nada tem de pacífico.

O triste é ver o Brasil, conscientemente ou não, sendo usado para acobertar os reais intentos do mandatário iraniano. O acordo nuclear, que assinamos em maio com Turquia e Irã, tem toda pinta de ser uma farsa. Como a agora tristemente famosa flotilha partiu de Istambul logo após a reunião de Teerã, sou, a contragosto, levado a inferir que, longe de microfones e câmeras, algo mais deve ter sido tramado. A política externa brasileira não mais esconde de que lado está. Quebra, assim, uma tradição de equilíbrio e ponderação na resolução de conflitos internacionais.

Ninguém é santo na Terra Santa. Talvez existam alguns anjos, mas estes não têm poder para interferir nas questões terrenas. Ao tomar partido numa confusão das arábias, quase tão velha quanto a humanidade e com a qual nada temos a lucrar, estamos dando uma de anjo e correndo um sério risco de importar um ódio secular, uma violência sem fim. É disso que precisamos? O mais intrigante é abrirmos mão de um truque cujo segredo só nós conhecemos: o da convivência harmoniosa de todas as raças e credos. Lamentável!

19 Respostas para “Truque velho”

  1. jack manel Diz:

    Hamilton:
    Israel é um paizinho (em diemensões geográficas)onde vivem 5.000.000 de judeus, cercado por uma dúzia de paises com 150.000.000 de árabes hostis, que, continuamente declaram desejar exterminá-los mas, todas as vezes que tentaram, foram fragorosamente derrotados.
    Eles – taticamente- só podem confiar em si próprios, estão sozinhos. O dono do pé é que sabe onde o calo doi.
    A patuleia jornalistica, por ideologia ou estupidez,
    e os estúpidos sem ser jornalistas, atacam o povo que todos os anos arrebatam prêmios Nobel de ciências que fazem o mundo evoluir. Muitos dos que atacam não viveriam hoje se não fossem salvos por cientistas judeus que criaram as vacinas Sabin, Salk, desenvolveram os modernos medicamentos
    e técnicas de hospitalização.
    Israel confirma o ditado “Mais vale um navio de pau com uma tripulação de ferro do que um navio de ferro com uma tripulação de pau.

  2. Paulo Cesar Diz:

    A política externa brasileira, ex exemplo continental,nos dá hoje demonstrações de muita pobreza e ingenuidade.
    Nosso condutor acha que está na mesa do Sindicato dos Metalúrgicos!?!?.
    O pior é que o segredo que só nós conhecemos corre mesmo um sério risco, vindo de fora.
    A sua análise é, como o tempo verbal, mais que perfeita!!!!!!
    Fraternal abraço.
    Paulo Cesar

  3. NIna Marach Carpentieri Diz:

    Parabéns por mais esta impecável crônica.
    Abrirmos mão de uma convivência harmoniosa entre todas as raças, é, como você diz, no minimo lamentável. O espirito beligerante da humanidade, sempre existiu, desde que o homem é homem.Quando vamos evoluir? E com nosso atual comandante mor,este tempo vai ficando cada vez mais longe… e depois dizem que macaco velho não põe a mão em cambuca. Não chega nossos conflitos internos? Mas “ele” adora aparecer no cenário mundial. Deus nos proteja!
    Abração em todos!

  4. Gustavo Rocha da Silva Diz:

    Prezado General Bonat

    Sua análise é sóbria, isenta, ponderada e, até onde pude ver, exata.

    Além disso aprendi sobre as malandragens das tropas alemãs em Monte Castelo, que desconhecia.

    Muito obrigado.

    Gustavo Rocha da Silva

  5. luiz gastão felizardo Diz:

    Parabéns, mais uma vez, por esta pérola de crônica, para nós, leigos.
    Acredito que meus tataranetos não irão ver a paz reinar naquela região do oriente. É simplesmente lamentável que nosso querido Brasil esteja participando dessa desavença toda, mas tendo um governo como o que esta dirigindo a nossa querida pátria, o que se fazer ?

  6. Roberto Barbosa Diz:

    Mais uma vez, parabéns, Bonat.
    Nossa democracia carece de dispositivos de defesa, tais como exigência de um mínimo de experiência administrativa e cultura para se chegar a um cargo político… Portanto, hoje colhemos e acho que vamos colher, por algum tempo, as consequências de se votar em cacarecos, Jurunas e tantas coisas esdrúxulas, como galhofa… Pois é… Só achavamos graça… Votaram em um sapo barbudo…
    E agora, qual a saida? R: Escola/ensino… Um abraço. Roberto.

  7. Joaquim Rocha Diz:

    O Brasil carece de um estadista, que pense vinte anos a frente, para poder participar e opinar nos conflitos internacionais atuais.
    Quanto a situação de Israel, espero que as Nações Unidas voltem a fazer o que se propunham quando foi criada a ONU, e cumpram com seu dever de ser o mediador nessas graves situações.

  8. Diva Malucelli Diz:

    Hamilton, tenho brigado com alguns amigos sobre a questão palestina…Estes dependem de Israel, para água, gas, e energia elétrica…E nem todos os palestinos são do Hamas ou do Fatah…Mas Israel , quando quer deixa todos à mingua…O Egito ajuda um pouco, deixando eles buscarem mantimentos…as vezes…
    Os civis, é que estão se ferrando…Israel, além de ter armamentos poderosos, recebe dizimo dos judeus no exterior…

  9. UDOLAR GROTH Diz:

    O BRASIL PRECISA DE PESSOAS QUE FAÇAM PLANEJAMENTOS PARA ATENDER UMA EXPANSAO NATURAL DO CRESCIMENTO POPULACIONAL DO PAÍS E PARA EVENTOS DE EMIGRAÇÃO ORIUNDA DE CATÁSTROFES MUNDIAIS, SEM AUMENTAR A DEVASTAÇAO PRATICADA PELOS POVOS BELIGERANTES DE OUTRORA,POIS TIRO NÃO ALIMENTA,PELO CONTRÁRIO ELIMINA O PLANTADOR.DESTA FORMA SERIA ,MELHOR QUE LÁ FOSSEM OS TECNICOS DA EMBRAPA,AGRICULTORES DE MILHO,SOJA E CRIADORES DE PORCOS PARA MUDAR OS COSTUMES E TROCAR AS BOMBAS DE CORAGEM POR CORAGEM EM SE AUTO SE SUSTENTAR.NO ENTANTO NINGUÉM FINANCIA A PRODUÇÃO MAS SIM A TECNOIGIA DE ARMAS DA MATANÇA. QUEM LÁ FOI DEVE SER ESPECIALISTA EM UMA OU OUTRA ATIVIDADE OU VOLTAR E PEDIR PARA OS BRASILEIROS PRODUZIREM MAIS E RECOHER MAIS CONTRIBUIÇÕES AFIM DE MELHORAR A VIDA DOS INJUSTIÇADOS. a paz com trabalho deve ser o lema a ser seguido,pela próxima geração, e educaçao especializada para atender a fome do mundo,deveria ser o objetivo de todos os povos,no entanto os rompantes de um governo tateando sabedoria, em muitos casos, transforma-se em debates a serem corrigidos por pessoas inteligentes para não ofuscar os jovens que responderão pelas bufonices atuais.

  10. Mario Gardano Diz:

    Bonat, realmente nosso Presidente esta metendo a mão na cumbuca alheia de modo erroneo, adula personagens instáveis e perigosos não percebendo o estrago que poderá provocar.Acredito eu que esse tipo de “mediação” que ele faz, é para sobressair-se diante dos outros paises, visando um cargo de relevo nos orgãos e conselhos internacionais.Mas as vezes o preço desta façanha, é cobrado no nosso lombo.
    abraços
    Mario Gardano

  11. Brugalli Diz:

    O poeta latino Virgilio, em sua Eneida, coloca esta lapidar sentença: “Quidquid id est, timeo Danaos et ferentes dona”. (O que quer que isto seja, temo os gregos até quando fazem(oferecem) presentes) – Livro II – Enéias narra a destruição de Troia, 1 – 38.
    Cabe-nos como cidadãos brasileiros estar alertas aos “Cavalos de Tróia” que a política externa brasileira constrói (?) assinando acôrdos espúrios e defendendo políticas de ditadores. Ainda bem que existem trincheiras alertando e heróicamente resistindo. A palavra, como o voto, são armas poderosas de que o cidadão livre dispõe. Parabéns amigo General Bonat. Estou na mesma trincheira.
    Um abraço do Brugalli.

  12. Hubert jardim Diz:

    Prezado Bonat,
    Sou solidario ao sofrimento daquele povo, porem o brasil tem problemas de muitas ordens e grandezas que merecem certamente mais atenção que os conflitos no oriente médio.
    Parabéns pelo sóbrio artigo. Voce só faz somar a todos nos!
    Jardim

  13. bonat Diz:

    General Bonat.
    Mais uma vez fica patente o interesse de certos grupos no terrorismo internacional. Muito bem colocado o seu artigo.
    Parabéns
    Ernani Straube

  14. Betty Diz:

    Hamilton:
    Muito boa e esclarecedora para mim em alguns pontos que só, sob uma visão tão clara quanto a sua,tornam-se reais.
    Parabéns mesmo!
    Betty

  15. Nestor Jesus de Sant'Anna Diz:

    Flotilha humanitária de araque só podia ter brasileiro de araque no meio, a tal de Iara Lee, meio coreana/gringa/brasileira. Uma “altruista internacional de carteirinha”,vermelha é claro, que nas horas de folga diz-se cineasta. Vai daí que o governo de araque do Brasil, que na realidade pratica internacionalmente ,via Itamaraty, a ideologia sindical/petista/comunista ministrada pelo Marco Aurélio Garcia, só poderia, como fez, “embarcar” nessa canoa furada de alinhar-se ao terrorismo anti-semita. Parabéns à Israel pela eficiente reação contra essa bandidagem embarcada, profissional/vagabunda(se realmente trabalhassem não teriam tempo de meter o bedelho em problema alheio). Quem farelo come, com porcos confraterniza e os palestinos que dão guarida ao Hamas,Fatah, são farinha do mesmo saco. É como as comunidades ditas carentes que “adotam a lei do silêncio” em proteção e conluio ao traficantes e bandidos nos morros do Brasil. Por certo todas elas recebem proteção,benessies e até certos dividendos pela cooperação. Quando são pegos no contrapé e fustigados auto-declaram-se inocentes. Há os que acreditam… Principalmente a engajada mídia brasileira !

  16. Laura Vaz Diz:

    Caro general,
    Não tenho seu vasto conhecimento nem sua visão militar de conflitos semelhantes a esse, mas sua crônica vem explicar porque sinto um arrepio na espinha quando leio qualquer coisa que tenha como tema o Oriente Médio. Também não vi com bons olhos esse envolvimento do Brasil. Parece mais estar procurando sarna para se coçar.

  17. bonat Diz:

    Gen Bonat,
    Sem nenhuma dúvida, e como sempre, “gostei” do que o senhor escreveu. Tenho que acrescentar também que a sua bem feita análise me deixou apreensiva … Não há porque buscar-se problemas para o nosso “pacífico” País, afinal …
    Grande abraço,
    Edilia

  18. Carlos Peron Diz:

    A fé, sempre ela, utilizada como manobra para os mais sombrios intentos do ego pessoal. Enquanto não tratarmos a fé como algo misterioso, único e individual teremos sempre ela a serviço de fanáticos. E os há em quase todas as religiões do mundo, poucas escapam ao seu poder. E como já dizia um grande sábio, a política e a religião unidas são o a moeda de ouro dos tolos. Saudações fraternas e aguardo a próxima pérola literária do grande general.

  19. DANIEL PEDRO Diz:

    Parabéns GENERAL!
    O que se esperar do Brasil?
    Quando eu tinha 14 anos de idade um empresário bem sucedido me fez uma pergunta! Se eu acreditava que o Brasil se transformaria em um pais desenvolvido de 1ª linha , eu respondi que iriam passar 20 anos e iria só piorar,e hoje estou com 39 anos de idade, mas o pior está por vir, minha opinião é que nem um pais sobrevive dando dinheiro através desse programa bolsa, familia, bolsa vale gás, bolsa natalidade, bolsa ditadura, bolsa cultura, vai somando! Fora os rombos, de inss, mensalão, sonegação, superfaturamento do tinheiro púiblico, leis que não funcionam, os nossos filhos e netos vão sofrer.

Deixe um Comentário