Comissão da Meia-Verdade

Raimundo está arrependido. Culpa do seu sangue quente, que passara a circular ainda mais rápido depois de duas caipirinhas. E deu no que deu. A olhada daquele cabra safado nas belas pernas da sua mulher foi o que bastou para transformar uma das cadeiras do bar do Maneco em arma mortal contra o sem-vergonha. Por isso está ali, aguardando julgamento.

O local é insalubre. O ar não circula. Falta higiene. O espaço é para vinte, mas tem mais de sessenta, gente de todo tipo, desde trabalhadores como ele, que num impulso transformara-se em assassino, até perigosos traficantes. São estes que comandam a vida naqueles poucos metros quadrados onde os mais fracos se acomodam como podem e rezam para não serem escolhidos para aplacar os instintos sexuais dos chefões do pedaço.

Raimundo já escutara falar sobre tortura. Agora ele a está vivenciando, praticada por colegas de cela. Também já ouvira discursos sobre direitos humanos. Estes, porém, não haviam chegado ao depósito de pessoas onde se encontra.

A única diversão é o aparelho de TV que um carcereiro boa-praça emprestou. No terceiro dia naquele inferno, a chamada para o telejornal o deixa animado. O Ministro da Justiça e o Secretário dos Direitos Humanos concederiam entrevista. A esperança de deixar de viver como bestas inflama a todos.

A decepção foi geral. As autoridades mostraram desconhecer a lamentável situação de milhares de brasileiros que encontram-se enjaulados. Elas parecem ignorar sua existência. O desrespeito aos direitos humanos, que hoje acontece sob suas barbas irresponsáveis, não interessa. O problema que pretendem resolver, bem ou mal, resolvido está. O de Raimundo, que é atual, ainda não.

Uma voz naquele espaço superlotado de esquecidos chegou a comentar: “Já que a tal Comissão da Verdade terá os olhos voltados para o passado, pelo menos saberemos quem mandou sequestrar, torturar e matar Celso Daniel”. Outra complementou: “… e o Toninho do PT”.

Seriam expectativas óbvias. Ambos eram do PT e prefeitos de cidades importantes. São casos recentes. Logo, se a Comissão quiser, chegará facilmente aos responsáveis por sua execução. Porém, tudo indica que essa verdade continuará envolta por misteriosa nuvem.

A história acima aguçou minha curiosidade. Decidi consultar a Lei da Anistia, por enquanto em vigor. Seu artigo 11 é claro: “Esta Lei, além dos direitos nela expressos, não gera quaisquer outros, inclusive aqueles relativos a indenizações, promoções ou ressarcimentos”.

Portanto, quem recebeu regalias indevidas corre o risco de ter que devolvê-las. Será por isso que pretendem revogá-la? Realmente não sei, mas sinto um desagradável cheiro de meia-verdade no ar. Ora, meia-verdade é uma grande mentira. Logo, nossos ministros poderiam ter sido sinceros, ao menos desta vez, e proposto a criação de uma “Comissão da Meia-Verdade”.

11 Respostas para “Comissão da Meia-Verdade”

  1. Carlos Gama - Santos - SP Diz:

    Mais uma excelente oportunidade, caro cronista, de convivermos com seu pensamento lúcido e com as verdades que o autor nos oferece de forma clara, concisa e inequívoca.
    Felizmente, esta “Comissão Nacional da Verdade” é apenas uma designação, uma fantasia da realidade, porque, se a “verdade” realmente viesse à tona, se a “coisa” fosse realmente para valer, enfrentaríamos o esvaziamento de alguns organismos públicos, sem ter onde encarcerar tanta gente.

  2. André Diz:

    Caro amigo Bonat.

    O pobre coitado do Raimundo só esqueceu uma “coizinha”, que deveria ter perguntado antes da briga. (PRISIONEIRO VOTA?” Se não dá voto não tem “direito a ser humano”, que é outra meia verdade.
    Um forte abraço
    André

  3. Renato Silva e Silva Diz:

    Bonat
    Como sempre um texto de extrema lucidez e que revela as já distorcidas interpretações que levaram a centenas de brasileiros passarem a ter direito a pensões e indenizações.
    Um forte abraço
    Renato SS

  4. roselene ferreira Diz:

    meu querido!!!!!!
    Etás cada vez melhor na tua escrita !!!!!!

    Sei o quanto és lúcido!!!!!

    mas, esperar alguma coisa desta corja de ministros …
    .Hamilton , é só por respeito que não vou usar aquela conhecida frase : ” ACORDA ALICE….”
    Estamos vivendo numa republiqueta de quinta categoria onde pobre que der uma cadeirada errada está perdido….
    um bj da
    Roselene

  5. Osório Diz:

    Amigo Bonat

    Mais uma vez, você mostrou a verdadeira cara desses comunistas e petistas que assaltaram o poder para sugar as tetas da Nação Brasileira.
    É fácil imaginar a triste situação do nosso país, caso uma ex-terrorista e assaltante assuma o cargo máximo da República.
    Abraços. Osório.

  6. Laura Vaz Diz:

    Será que se a gente chorar resolve? Hum… pensando bem, acho que não. Vou continuar rezando. Um dia dá certo!
    Como sempre, texto excelente!
    Um abraço

  7. joão carlos aranha Diz:

    Bonat:
    Parabens caro Hamilton, pela facilidade de expressão e objetividade de sus crônicas. Uma minoria bem orquestrada, tentou tomar o poder para implantar uma ditadura maraxista, igual àquela que transformou Cuba de “Pérolas das Antilhas” em “Cocô sdo Caribe”.

  8. Emerson Celso Barroso Diz:

    Caro amigo, companheiro militar e estimado general.
    Já terminei de ler seu livro e agora passarei a ler seus escritos no seu blog. Finalmente encontrei uma voz contra essa podre política que se faz em Brasília. Nos roubam e ao mesmo tempo querem nos fazer de palhaços. Brincam com a dignidade do povo, riam da justiça, cientes de que estarão impunes. Alguem tem que tomar uma providência. Lembrem os movimentos de 64 e o que derrubou Collor. Foi o povo e os jóvens que juntos mudaram a história desse país. Será que teremos de pegar em armas novamente? Se assim for, mude-se o final da revolução de 64, façamos diferente. Não vamos perdoá-los, deixemos que Deus os perdoe, pessoalmente.

  9. fire Diz:

    Frase, que não se cala, do famoso baiano: “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.” [ Rui Barbosa ]

    Só não entendo, porque se manter passivo, no meio de tantas falcatruas e uma democracia de faz de conta.

  10. pedro herrerias Diz:

    amigo Bonat

    Muito bom sua cronica,alias com tudo que tu escreve vai a
    raiz do problema,com sua critica abalizada, e com bom humor
    parabens.

  11. J.H. de Medeiros Dias Diz:

    Tinha que ser de um ARTILHEIRO. Meus parabens.

Deixe um Comentário