I have a dream

Quarenta anos depois, o sonho de Martin Luther King Jr tornou-se realidade. Um negro foi eleito presidente da única superpotência. A imprensa e os líderes mundiais não conseguem esconder seu entusiasmo.

Alguns governos sul-americanos ficaram radiantes. Doutrinados por Fidel, eles agora querem dar uma lição de democracia para Barack Obama. Numa das primeiras aulas, pretendem ensiná-lo como acabar com o embargo comercial a Cuba.

O senhor Obama tem consciência de que o Foro de São Paulo, inspirado nos donos de Cuba, prega abertamente o ódio aos estadounidenses, sejam brancos ou negros. Os membros do Foro parecem não perceber que a população norte-americana é a mais multirracial do mundo. Desconhecem o seu espírito patriótico, tornado bem claro no pronunciamento de Obama que emocionou a todos os americanos: “Não foi a vitória do negro, nem do pobre. Foi a vitória dos Estados Unidos da América”.  Ele tem plena consciência de que os afro-descendentes representam apenas 13% da população e que só foi eleito por ser cidadão da maior democracia do planeta.

Se fosse cubano, onde proporcionalmente os negros são muito mais numerosos – 32% da população – não teria chance alguma. A família Castro, branca, diga-se de passagem, instalada há mais de meio século no poder, não admite oposição.

Eu gostaria de dar um conselho ao novo presidente dos Estados Unidos. Quando os tristemente ridículos líderes sul-americanos chegarem com a conversa mole de acabar com o embargo comercial, que apresente sua contraproposta: a de que se levante o embargo sim, mas somente quando for permitido a todos os cubanos, negros inclusive, sonharem com a liberdade e com a possibilidade de um dia chegarem à presidência de Cuba.

Creio que nosso mandatário, que volta e meia se reúne a portas fechadas com Fidel, seria um confiável portador dessa proposta. Aliás, em sua recente visita à Ilha, ele convidou o irmão e sucessor do “comandante” para visitar o Brasil. Quero aqui plagiar Martin Luther King Jr: “I have a dream”. Sonho que o senhor Raul Castro, envergonhado por ter as mãos sujas de tanto sangue humano, resolva não aceitar o convite.

Com a herança que está recebendo de George W. Bush, Barack Obama vai precisar de muita competência, de muito apoio e de muita sorte. Pelas mais diferentes razões, o mundo todo sonha que tenha êxito.

Deixe um Comentário