Artigos de 2008

Com afeto

20/11/2008 por bonat

 

As lágrimas não esperaram nem o estribilho terminar para virem molhar-me os olhos.  Você pode pensar que seja coisa da idade, mas desde cedo foi assim. O Hino Nacional me arrepia. Porém, somente o da Bandeira teve sempre o poder de me fazer chorar. Talvez pela música de Francisco Braga. Talvez pela poesia de Olavo Bilac. Talvez por ser raro ouvi-lo. O fato é que, mais uma vez, ao meio dia de 19 de novembro deste 2008, tive que me controlar para não passar vexame.

A comemoração é singela. Hasteia-se a Bandeira, lê-se a ordem do dia e, enquanto se entoa o hino, incinera-se algumas bandeiras esgarçadas pelo tempo. É aí que a coisa pega. Quando chega a hora do “recebe o afeto que se encerra”, elas, as lágrimas, chegam mesmo sem terem sido convidadas.

Trinta minutos, não mais, é o que dura a cerimônia. É o tempo certo para se refletir sobre um dos nossos mais marcantes símbolos. Ver suas cores fortes e genuinamente brasileiras. Admirar a proporcionalidade de suas formas. Ler o dístico nela inscrito a fim de nos inspirar. Relembrar sua história. E, por que não, renovar nosso compromisso de amor ao Brasil.

Não faço idéia de como esse dia é comemorado nas escolas. Atualmente parece estar sendo difícil para os professores explicar às crianças os motivos de tanta corrupção, se nosso lema é ordem e progresso.

Ontem mesmo, quando tentava cantar o hino que as lágrimas interromperam, os jornais estampavam manchetes sobre o cumprimento de um Mandado de Busca e Apreensão na casa de um delegado da Polícia Federal. Ao que parece, quando encarregado da chamada Operação Satiagraha, ele acabou desvendando coisas que não deveria. Agora está sendo tratado como um bisbilhoteiro por gente graúda da República.

Quem está se dando bem é um banqueiro, alvo da Satiagraha. Tudo faz crer que ele sabe demais e, por isso mesmo, esteja sendo blindado por pessoas importantes.

A Bandeira, como um espelho, reproduz a nós mesmos, com nossas riquezas e mazelas. Pena que a maioria dos brasileiros não gaste meia hora por ano para reverenciá-la. Pode ser que alguns se comovessem ao ver que nela está representado o maior patrimônio que dispomos: nossa gente, de ontem, de hoje e de sempre. Gente humilde, que espera de quem está no poder menos corrupção, mais ordem e mais progresso.

 

I have a dream

07/11/2008 por bonat

Quarenta anos depois, o sonho de Martin Luther King Jr tornou-se realidade. Um negro foi eleito presidente da única superpotência. A imprensa e os líderes mundiais não conseguem esconder seu entusiasmo.

Alguns governos sul-americanos ficaram radiantes. Doutrinados por Fidel, eles agora querem dar uma lição de democracia para Barack Obama. Numa das primeiras aulas, pretendem ensiná-lo como acabar com o embargo comercial a Cuba.

O senhor Obama tem consciência de que o Foro de São Paulo, inspirado nos donos de Cuba, prega abertamente o ódio aos estadounidenses, sejam brancos ou negros. Os membros do Foro parecem não perceber que a população norte-americana é a mais multirracial do mundo. Desconhecem o seu espírito patriótico, tornado bem claro no pronunciamento de Obama que emocionou a todos os americanos: “Não foi a vitória do negro, nem do pobre. Foi a vitória dos Estados Unidos da América”.  Ele tem plena consciência de que os afro-descendentes representam apenas 13% da população e que só foi eleito por ser cidadão da maior democracia do planeta.

Se fosse cubano, onde proporcionalmente os negros são muito mais numerosos – 32% da população – não teria chance alguma. A família Castro, branca, diga-se de passagem, instalada há mais de meio século no poder, não admite oposição.

Eu gostaria de dar um conselho ao novo presidente dos Estados Unidos. Quando os tristemente ridículos líderes sul-americanos chegarem com a conversa mole de acabar com o embargo comercial, que apresente sua contraproposta: a de que se levante o embargo sim, mas somente quando for permitido a todos os cubanos, negros inclusive, sonharem com a liberdade e com a possibilidade de um dia chegarem à presidência de Cuba.

Creio que nosso mandatário, que volta e meia se reúne a portas fechadas com Fidel, seria um confiável portador dessa proposta. Aliás, em sua recente visita à Ilha, ele convidou o irmão e sucessor do “comandante” para visitar o Brasil. Quero aqui plagiar Martin Luther King Jr: “I have a dream”. Sonho que o senhor Raul Castro, envergonhado por ter as mãos sujas de tanto sangue humano, resolva não aceitar o convite.

Com a herança que está recebendo de George W. Bush, Barack Obama vai precisar de muita competência, de muito apoio e de muita sorte. Pelas mais diferentes razões, o mundo todo sonha que tenha êxito.

Publicado em Internacional, Política

Quem matou Eloá?

22/10/2008 por bonat

 

Nelson Piquet declarou certa vez que o campeão estourar champanhe não atrai o grande público. As pessoas querem mesmo é ver um acidente, uma tragédia durante a corrida. Na esperança de assistir a uma tragédia, muita gente acompanhou o seqüestro de Santo André.  Não era para saber se Lindemberg tinha se entregado, mas sim como ele havia matado Eloá Cristina Pimentel da Silva, estudante, quinze anos, moradora da periferia. Poucos torciam pelo Grupo de Ações Táticas Especiais e para que seus policiais resolvessem mais um caso complicado.

A possibilidade de ocorrer um desastre fez com que a mídia estivesse presente. Uma apresentadora, em busca de audiência, chegou a falar ao vivo por telefone com o seqüestrador. Ela devia supor que entrevistar alguém mentalmente perturbado poderia colocar em risco a vida da jovem. Mas considerou o direito à fama mais importante do que o direito à vida. Azar de Eloá que, diga-se de passagem, nunca foi muito ajudada pela sorte. Aos doze anos, menina ainda, começou um namoro com um homem de dezenove. O precoce fim de sua inocência infantil parece ter sido consentido pelos pais. Agora, julgando-se seu proprietário e inconformado com o desprezo, ele tinha voltado para vingar-se.

No corrente ano, o GATE já atendera a dezessete ocorrências. Em doze delas os seqüestradores eram pessoas emocionalmente perturbadas; vinte e quatro foram presos e dois se suicidaram. Quarenta e sete reféns foram libertados. Toda missão representou uma situação de extrema tensão. A de Santo André não seria diferente. Cada policial sabia que um tiro significaria um processo nas costas. Exige-se da policia 100% de eficácia. Considera-se que ela está, por princípio, errada. E, o que é pior, muita gente torce contra. São pessoas que nem chegam perto da confusão, mas estão sempre prontas a dar opiniões. Numa entrevista, alguém apresentado como instrutor da SWAT, apontou os erros do GATE. E indicou, logicamente depois dos fatos, os procedimentos que deveriam ter sido adotados. Não temos que endossar nem desculpar eventuais falhas. É preciso apontá-las para que sejam corrigidas. Mas deve-se tomar cuidado para não confundir ficção com operação real.

“Por que a polícia não atirou em Lindemberg”?  Pense na reação dos chamados formadores de opinião e da turma dos direitos humanos se ele tivesse levado um tiro na testa. Antes de virar filme, seria transformado num ícone. “Tinha ficha limpa e trabalhava. Só foi morto porque era da periferia”.  Com franqueza, já o estou vendo em breve solto por aí, embora se saiba o assassino de Eloá.  Além dele, matou-a a brandura com que nossos legisladores tratam os verdadeiros criminosos.

Publicado em Segurança Pública

Marta, um nome de dama

15/10/2008 por bonat

 

Marta era uma das tias do meu pai. Já a conheci viúva, com duas crianças para criar. Da sua casa, lembro-me da máquina de costura. Era nela que a encontrávamos sempre que íamos visitá-la. Fazendo vestidos, conseguiu educar os filhos. Devia levar uma vida difícil. Mesmo assim, nunca a ouvimos se lamuriar. Meus olhos de criança viam nela uma dama. Vestia-se sobriamente, sem chamar atenção, sem excessos, mas com elegância. Durante um bom período imaginei que todas as Martas eram como ela: senhoras distintas, honestas e trabalhadoras.

Claro que essa imagem não resistiu aos anos. Antes mesmo de uma ministra de estado proferir o célebre “relaxa e goza”, eu já tinha consciência de que as Martas não eram todas iguais. E quanto mais passa o tempo, mais a ex-ministra me convence que o nome não molda a personalidade das pessoas.

Agora, sob pressão, ela extrapolou. Candidata à prefeitura da maior cidade do país, com orçamento superior ao de várias nações – o que representa enorme atrativo -, e em desvantagem nas pesquisas, ela partiu para o ataque em recente debate transmitido pela televisão.  Durante os dois primeiros blocos, nada mais fez do que chamar Kassab de mentiroso. É forçoso reconhecer que este é um tema que o partido da senhora Marta domina como poucos. Sempre que uma bomba está prestes a estourar, companheiros do presidente inventam um factóide para atrair a mídia e desviar a atenção da população.

Ainda durante o debate, ela colocou em questão as amizades de Kassab. Aí, levou um contravapor que jogou-a nas cordas e quase a nocauteou. Era de esperar, pois, da mesma forma que os Pittas e Malufes não foram esquecidos, os Delúbios e os dólares na cueca continuam vivos na memória do povão. Há tantas perguntas a fazer sobre o comportamento ético dos amigos e companheiros da senhora Marta, que ela teria feito melhor se não tivesse tocado no assunto.

E como prepotência vicia, a insinuação de que, por não ser casado nem ter filhos, Gilberto Kassab poderia ser gay espalhou-se por São Paulo. E daí, dona Marta? Ela apressou-se em dizer que não tinha nada com aquilo, que era coisa do seu marqueteiro. Seguiu fielmente o que recomenda a cartilha: “Se algo der errado, ponha a culpa nos outros. Se não puder, minta, minta, minta mil vezes, e pronto”.

Não sei quem vai administrar o vultoso orçamento paulistano. Mas a candidata sabe que, se não for a escolhida, algum bom cargo a espera em Brasília.

Marta não é brincadeira. É um nome que me lembra honestidade. Fazer o quê?

Publicado em Nacional, Política

Eleições – mortos ainda não votam

02/10/2008 por bonat

 

Há tempos desisti de querer os políticos todos certinhos. E não estou levando em conta apenas aqueles made in Brazil. Trata-se de um fenômeno globalizado. Mas, como estamos em clima de eleições municipais, não posso deixar de expressar o meu desconforto com um fato que se repete ano após ano.

Todo 29 de dezembro, chega à nossa caixa de correio um cartão de cumprimentos à minha mãe pelo seu aniversário, enviada por certa vereadora de nossa cidade. Um vereador, a cada 14 de junho, manda votos de felicidade e de vida longa ao meu pai. Sei que ambos não usam o seu dinheiro e sim o do contribuinte, quer dizer o nosso, para fazer “relações públicas”.

O hilário no caso, para não empregar um termo mais grosseiro, é que minha mãe morreu há quinze anos e meu pai há dez. Recentemente, os mesmos edis enviaram aos meus falecidos pais farto material publicitário, pois são candidatos a mais uma reeleição.

Não vou lhes revelar o nome. Gostaria somente de deixar um apelo político para que respeitassem ao menos os sentimentos dos eleitores. Eles poderiam até imputar a falha a algum assessor. No entanto, a bem da verdade, são eles que escolhem os assessores, que também são pagos pelo contribuinte. Já que se avizinha uma crise econômica mundial, seria conveniente um pouco de atenção a fim de se evitar gastos desnecessários, pois mortos ainda não votam.

Aproveito, sabendo do risco de ouvir mais uma vez que militar não deve se meter em política, para sugerir o fim do voto obrigatório. Creio que já estamos suficientemente maduros para exercer, conscientemente e de modo facultativo, esse direito.

Acredito que neste 5 de outubro nosso País dará mais uma prova de fé na democracia. Que assim seja.

 

 

 

 

Publicado em Nacional, Política

Vizinhos assim, melhor não tê-los!

14/09/2008 por bonat

A Austrália pode se considerar feliz. Não possui vizinhos, nem pobres, nem ricos. Eles simplesmente não existem, e ponto. Ela tem pendências internas com seus aborígenes, mas não precisa se incomodar com os aborígenes dos outros. Está igualmente desobrigada a diminuir a pobreza de alguém, às vezes traiçoeiro, que esteja do outro lado da cerca e de investir bilhões para ajudá-lo a explorar seu subsolo rico em gás. Tampouco precisa firmar contrato, mais tarde contestado pela outra parte, a fim de construir, sobre rio limítrofe, a maior usina hidrelétrica do mundo.

Australianos não têm, como os mexicanos, um gigante a lhes fazer sombra. Brasileiros também não. Nosso problema é que estamos nos apequenando, fazendo com que um vizinho, que só petróleo produz, se autoproclame líder da América do Sul.

A grave crise por que passa a Bolívia é uma das conseqüências da política bolivariana, que se alimenta da desunião. Evo Morales, por seguir a cartilha de Chávez, levou seu país à beira da guerra civil. Se a geografia já conspirava contra, o atual mandatário chegou para dar um empurrãozinho fatal em direção ao abismo que separa o Altiplano do Chaco. A Bolívia já cedeu parte do seu território para todos os seus limítrofes. Agora está prestes a ser derrotada por si mesma. Caso isso se concretize, nada lhe será perdoado, ao senhor Morales, pelas futuras gerações de bolivianos, então pulverizados em diversas nações, ainda menores e mais pobres.

Foi bizarra a expulsão do embaixador americano. A Bolívia não tem relevância internacional. Representa muito mais para o Brasil do que para os Estados Unidos, pois, graças a um erro estratégico, nos tornamos reféns do seu gás.  No entanto, parece que o Brasil pouco poderá fazer, uma vez que nossa política externa tem andado a reboque do senhor Hugo Chávez. Mesmo porque, quando da tomada manu militari de nossas refinarias localizadas na Bolívia, nosso governo posicionou-se a favor de Evo Morales, contra os interesses brasileiros.

Más notícias, vindas de um pouco mais ao sul, ainda estão por chegar.  É quase certo que o presidente Lugo apoiará o MST paraguaio – produto brasileiro de exportação, criado pela mesma Igreja da qual ele é ex-bispo – em sua luta declarada contra os brasiguaios. Resta saber de que lado ficará nosso governo: se do MST ou dos brasileiros que vivem no Paraguai.  A quem quiser apostar, sugiro que marque coluna um.

Feliz é a Austrália. Não tem vizinhos e, no continente que ocupa por inteiro, a guerra fria, que tantos males já causou pelas bandas de cá, faz parte do passado.

 

Publicado em Política, Sulamericana

Uma Nação para os quero-queros

17/08/2008 por bonat

Procurou-me um velho amigo para dizer que tinha uma idéia maluca e queria a minha opinião. Ele sabia que, mesmo sem me considerar maluco, adoro idéias malucas.

Perguntou-me o amigo se eu lembrava do triste ocorrido num jogo entre Coritiba e Palmeiras, com um dos quero-queros que moram no Alto da Glória. Claro que eu lembrava. Foi coisa de louco (ou maluco!). A bola, como um meteoro, caiu sobre a pobre ave, que virou capa de revista.

Quero-quero é um animal esperto. Está sempre alerta. Seu campo de visão é de 360 graus. O que foi atingido observava atentamente as quarenta e seis pernas (não se esqueça do árbitro) que o ameaçavam por todos os lados. Entretanto, não conseguiu detectar a ameaça, esta sem pernas porque era bola, que vinha do alto. Acabou estatelado no gramado.

Questionou-me o amigo se eu sabia que há quero-queros em outros estádios. Claro que sim. Eles estão no Beira-Rio, Morumbi, Mineirão, até no Maracanã. Indagou se eu gostaria de fazer alguma coisa para afastá-los das pernas peludas que os amedrontam em centenas de campos de futebol e levá-los de volta ao seu habitat original. “Sensacional!”, respondi com entusiasmo.

Expôs então sua maluca idéia: já que inventaram a Nação Ianomâmi, vamos criar a Nação Quero-Quero. Nesta altura da conversa, senti que chegara a minha vez de fazer perguntas. Incrível como ele tinha prontas todas as respostas.

Onde ficaria tal nação? Como o acidente ocorreu no Paraná, este Estado pagará pelo crime. A metade oeste do seu território será dos quero-queros, seus verdadeiros donos desde os tempos pré-cabralinos. E as pessoas que ali trabalham na agricultura, na indústria, em Itaipu? Terão que sair. Quem se recusar, será removido pela Polícia Federal. E as instalações do Exército, Marinha e Força Aérea?  ONGs de Roraima ficaram de mandar alguns assessores com experiência no assunto.

E os quero-queros paraguaios? O governo recém-empossado quer a saída dos brasiguaios. Sairão eles e entrarão os quero-queros. Assim, a nação abrangerá terras de dois países. Quem poderia entrar na área? Bastará ser fluente em inglês, francês, holandês ou alemão. Nosso governo concordaria? Alguns ministros já se declararam simpáticos à causa. E se te internarem num hospício? Denunciarei à ONU.

Estava quase me tornando um ferrenho defensor da Nação Quero-Quero, quando resolvi fazer a última pergunta: “E os brasileiros?”. Ao responder-me com outra pergunta – “Que brasileiros?” - perdeu um novo aliado e o amigo velho.

 

 

Publicado em Nacional, Política

Guerra no Cáucaso

15/08/2008 por bonat

O que a Rússia tem de grande, também tem de gelada. É possível que isso tenha tornado seus filhos igualmente frios diante da morte. Recebem-na com resignação. Mas, é lógico, preferem que venha para buscar primeiro os outros. Só quem não pode morrer é a “Grande Mãe Rússia”.
Eles sempre olharam com desconfiança os europeus que, historicamente, ficaram à espreita para, na primeira oportunidade, raptar-lhes as lindas mulheres e roubar-lhes os recursos naturais.
Durante a Guerra Fria, o Pacto de Varsóvia serviu-lhes de escudo contra a improvável reencarnação de Napoleão ou Hitler. O gelo, que ajudara a derrotá-los, não foi o único a expulsar os invasores. O destemor do combatente russo diante da morte fora fundamental em meio à tragédia representada por milhões de corpos insepultos.
Ao Sul, outros governos foram forçados a aderir ao Pacto. Ai de quem se negasse. Mas por quê, se os europeus de Napoleão e Hitler estavam a Oeste? Porque, para infortúnio de seus povos, países como a Geórgia ficam no caminho dos mares quentes.
A dificuldade para exportar representou um constante gargalo para a economia russa. Para se chegar a Vladivostok, no Mar do Japão, leva-se vários dias sobre os 9.289 quilômetros de trilhos da Transiberiana. Ao Norte, os portos são deseixados das principais rotas comerciais e tornam-se quase impraticáveis durante os rigorosos invernos. Resta-lhes o Sul.
Quando a imprensa começou a noticiar o início do conflito, foi preciso abrir o atlas para ver onde ficava a minúscula Geórgia. Quanto à Rússia, todos já sabiam serem necessários os mapas de dois continentes para vê-la espalhar-se largamente de leste a oeste.
Fixando a atenção apenas nos dois países em guerra, tem-se a imagem de um gigante sendo carregado nas costas por um anão. Deve ter sido essa a intenção de quem, ao rabiscar os primeiros mapas-mundi, convencionou que o Norte ficaria na parte de cima.
As duas mil vidas perdidas em Odisséia do Norte não pesarão na consciência russa. Com a invasão, Moscou quis mostrar quem ainda manda no Cáucaso e, em conseqüência, nos dutos que o atravessam e asseguram o escoamento de um de seus principais produtos de exportação: o petróleo. Mais uma vez, o petróleo!

Publicado em Internacional, Política

Fogo amigo atinge Obama

19/07/2008 por bonat
 

Escrevi tempos atrás que as charges substituem muitas palavras, com a vantagem de serem mais simpáticas. Disse que contam a história de um país. Por isso afirmei (e continuo acreditando) que os chargistas merecem tornar-se famosos e ricos. Porém, assim como há Militares e militares, Advogados e advogados, Médicos e médicos, existem Chargistas e chargistas.

Parece que o da New Yorker é um chargista com “c” minúsculo. Se sua revista é pró Barack Obama, se o próprio chargista diz que o apóia, se uma charge vale milhares de palavras, ele deveria perder seu emprego. Se fosse eu o seu patrão, estaria despedido. Mandar-lhe-ia estudar e aprender a escrever, para ver como é difícil convencer as pessoas usando argumentos no lugar de desenhos.

O cartum estampado na capa da New Yorker mostra a mulher do senador-candidato vestida como terrorista saudando, com punhos cerrados, o marido com vestes muçulmanas. Ao fundo, observa-se a bandeira americana em chamas na lareira. Na parede, há um retrato de Osama Bin Laden. A idéia que transmite é de que Obama não é um patriota, tudo o que qualquer americano odeia. Ser antipatriota, queimar a bandeira, cultuar Bin Laden, vestir-se de terrorista. Você olha e é isso o que vê. Pois essa foi a imagem que se espalhou via Internet por todo o país.

Foi óbvio o desconforto do comitê de campanha do senador. A revista teve que explicar que o desenho era uma sátira aos adversários de Obama. Ora, charge que se preze não precisa de explicação. Ela dispensa, porque as substitui, palavras. Nos estados americanos culturalmente e politicamente mais desenvolvidos (lá também tem disso) é possível que as pessoas leiam e compreendam as razões da revista. Mas, no interiorzão (lá também tem disso), a mensagem que vai prevalecer é a do desenho. Não é demais lembrar que foi ali que George W. Bush ganhou o último pleito.

A possível eleição do senhor Barack serviria para demonstrar o vigor da democracia norte-americana. Milhões de americanos, até os WASP (brancos, anglo-saxões e protestantes), gostariam que isso acontecesse. Entretanto, as pesquisas revelam que a diferença pró Obama, que era de 15 pontos (51 para 36%) em 20 de junho, baixou para apenas três pontos (44 para 41%) nos últimos dias. O efeito “cartum” poderá causar ainda mais estrago.

A charge, concebida por quem se diz seu amigo, atingiu-o como uma bala perdida. Será que ele sobreviverá a esse “fogo mui amigo”?

 

Publicado em Internacional, Política

A elegante senhora “y” está de volta

27/06/2008 por bonat

 

Recordo-me da Copa da França, quando uma repórter, guindada a esta condição graças a sua beleza, quando fazia a cobertura da comemoração da torcida dona da casa, assim se expressou: “Estamos na Place de La Concordê”. E, confirmando em rede nacional o seu despreparo, errou outras vezes ao tentar dizer Place de La Concorde. Se não fosse bela e namorada de uma celebridade, teria sido sua última aparição. Foi perdoada pelos chefões da emissora. Chacrinha já sabia que mulher bonita dá audiência. Além do mais, tratava-se de outro idioma. Moça bonita não é obrigada a estudar francês. Mas, convenhamos, “Place de La Concordê é dosê”.

Jogador de futebol, ao contrário, não precisa ser bonito. Também não precisa saber falar. Tem somente que jogar bem. Já reparou que eles têm certeza de tudo? A qualquer questão, respondem: “com certeza”. Depois desta afirmação, pronunciam uma série de frases que não guardam relação alguma com a pergunta formulada. Nossos ouvidos sofrem mesmo é quando alguns, ao se aposentar, tornam-se comentaristas.

Como eles, muitos brasileiros não dominam a expressão oral e, logicamente, a escrita. A estes não preocupam as alterações que vêm por aí. Nem adiantaria tentar-lhes explicar que vôo passará a ser voo; anti-semita, antissemita; contra-regra, contrarregra, vêem, veem; jibóia, jiboia. Se já não sabiam como era, não lhes interessa como passará a ser.

Mas quem vive da escrita, do discurso ou simplesmente considera a correta comunicação um sinal de consideração para com as demais pessoas, precisa se atualizar.

As alterações não são muitas. Retornam “y”, “w” e “k”, aumentando para vinte e seis as letras do nosso alfabeto. Delas, a mais bem-vinda é o “y”. Ela dá um toque de classe às palavras. Ubiracy é mais elegante que Ubiraci; Paraty, que Parati; Tibagy, que Tibagi. São vocábulos do velho Guarany, idioma que permanece vivo por ter batizado vários estados, cidades e acidentes geográficos do País.

Se você não é presidente de nada, nem de time de botão, não é uma celebridade, se for um perna-de-pau ou simplesmente considera falta de polidez comunicar-se com incorreção, trate logo de se informar. Se precisar de motivação, lembre-se da elegante senhora “y”, a mais charmosa de todas as letras. Seu aprendizado, “com certeza”, será mais prazeroso.